Sexualidade

Primeira experiência sexual de uma mulher pode definir seu desejo pelo resto da vida, revela estudo

No entanto, nos homens, a primeira experiência sexual teve pouco ou nenhum impacto no desejo sexual mais tarde na vida

Para a maioria das pessoas, fazer sexo pela primeira vez é um rito de passagem significativo e memorável. Mas parece que o momento pode ser muito mais marcante e importante para nós mulheres.

De acordo com publicação feita pelo site Neuro Science News (em inglês), a candidata a doutorado em psicologia da Universidade de Toronto, no Canadá, Diana Peragine, descobriu recentemente que a experiência também tem impactos duradouros no desejo sexual de uma mulher heterossexual mais tarde na vida.

“A sabedoria convencional nos diz que as mulheres têm um desejo sexual mais fraco do que os homens – que a lacuna da libido é grande e estável ao longo da vida porque as mulheres estão fundamentalmente conectadas a querer sexo menos do que os homens”, explica Pergaine.

Leia mais: Esse é o guia definitivo para ter um orgasmo melhor

Peragine, juntamente com os colegas pesquisadores da Universidade, Malvina Skorska, Jessica Maxwell e os professores Emily Impett e Doug VanderLaan, detalharam suas descobertas no estudo “A Learning Experience? Prazer na estreia sexual e a diferença de gênero no desejo sexual entre os adultos emergentes” (em tradução livre), que foi publicado recentemente no ‘Journal of Sex Research’.

O estudo incluiu 838 adultos heterossexuais, muitos do campus da própria Universidade, e descobriu que as mulheres só diferem dos homens em seu desejo sexual, se sua primeira experiência sexual não for agradável - isto é, em se sua “primeira vez” não experimentou o orgasmo.

“As mulheres em comparação com os homens tinham metade da probabilidade de relatar estarem satisfeitas na primeira relação sexual e cerca de oito vezes menos propensas a ter um orgasmo”, diz Peragine, acrescentando que as mulheres que tiveram um orgasmo na primeira vez que fizeram sexo estavam mais interessadas em parceiros e sexo, e seus níveis atuais de desejo por ele eram iguais aos dos homens.

Ela diz que isso sugere que, se as primeiras experiências são lições poderosas, a primeira relação sexual não é exceção.

“Pode servir como uma ‘experiência de aprendizado’ para muitos e importante para desenvolver expectativas de que o sexo pode ser agradável e crenças de que merecemos e temos o direito de apreciá-lo”, diz ela.

O estudo também descobriu que a primeira experiência sexual dos homens não teve efeito aparente em seus níveis atuais de desejo sexual.

Leia mais: Estas 4 dicas vão te ajudar a reativar sua vida sexual pós-pandemia

“Em vez de realmente falar sobre diferenças fixas de gênero no desejo sexual, nossas descobertas levantam a possibilidade de que uma estreia sexual sem orgasmo possa ser uma parte comum da socialização sexual das mulheres, onde a atividade sexual pode ser desincentivada”, diz Peragine. “(É uma) estreia sexual que é mais frustrante do que recompensadora.”

Ela observa que pesquisas anteriores mostraram que os homens são mais propensos do que as mulheres a sofrer de problemas de alto desejo sexual, enquanto as mulheres são mais propensas a ter problemas de baixo desejo sexual e que a lacuna de desejo entre homens e mulheres saudáveis persiste na idade adulta, perpetuando o mito de que as mulheres têm um desejo sexual naturalmente mais fraco do que os homens.

Peragine diz que queria realizar esta pesquisa porque se perguntava se o menor desejo sexual das mulheres poderia ser melhor explicado pela falta de prazer durante a primeira experiência sexual, e não pelo gênero.

“Antes, havia essa ideia de que o desejo sexual era como fome ou sede que se origina internamente e emerge espontaneamente”, diz ela. “Mas, obviamente, agora, estamos entendendo que é mais dinâmico e responsivo à experiência, e que experiências sexuais gratificantes moldam nossas expectativas sexuais”.

Leia mais: O que é um orgasmo cervical e como fazer para ter um?

Em última análise, ela espera que o estudo, que demonstra que o menor desejo sexual entre as mulheres pode ser devido a uma diferença de experiência e não a uma diferença de gênero, inspire outras pesquisas sobre a “lacuna de gênero” do desejo sexual.

Ela acrescenta que a pesquisa também tem implicações importantes para a educação sexual, que geralmente se concentra na saúde sexual e na promoção do sexo saudável.

“Acho que esse tipo de trabalho pode nos aproximar de intervenções de educação sexual que facilitem o desenvolvimento sexual saudável no sentido holístico da palavra”, diz Peragine, acrescentando que a pesquisa também ilustra que a própria experiência da primeira relação sexual pode ser uma fonte de Educação sexual. “Muitas vezes não reconhecemos a vida real, as experiências práticas de homens e mulheres jovens com sexo – o que pode ser o mais instrutivo de todos.”

⋅ ⋅ ⋅

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos. Seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM