Notícias

Inglaterra e País de Gales tornam lei acesso a pílula para abortar em casa

A medida foi estipulada durante a pandemia e agora se tornou lei. Mulheres e pessoas com útero que desejam abortar terão acesso a pílula para fazer o procedimento em casa

Após superdosagem de remédio, jovem entra em estado vegetativo

As mulheres e pessoas com útero agora contam com a lei a seu favor caso desejem abortar com menos de 10 semanas de gravidez. Durante a pandemia, a Inglaterra e os Países de Gales tornaram a medida possível com o acesso a pílula para abortar em casa.

O objetivo era reduzir os serviços do sistema público de saúde britânico (NHS) durante a pandemia de covid. Contudo, agora a medida se tornou lei nos Países de Gales. A previsão, segundo o G1, é que a lei possa oferecer o medicamente e que os médicos registrem onde o aborto está ocorrendo e onde e como a mulher foi consultada.

Nestes países, o procedimento será realizado com a ingestão de um comprimido de mifepristona, o primeiro comprimido. Em seguido, a pessoa deverá tomar o misoprostol para estimular o útero a se contrair. Os medicamentos possibilitam que entre quatro a seis horas, o revestimento do útero se rompe, causando sangramento e o fim da gravidez.

A ministra da Saúde Pública, Maggie Throup, diz que garantir esse acesso às mulheres proporcionará “mais opções de como e onde acessam os serviços de aborto, ao mesmo tempo em que garante que dados robustos sejam coletados para garantir sua segurança contínua”.

NOTÍCIAS

Brasileira de 9 anos é considerada a astrônoma mais jovem do planeta: ‘Que possa inspirar outras pessoas e crianças’

Patrícia Pillar defende Ciro Gomes após ser citada por Bolsonaro em debate

Soraya Thronicke afirma que Bolsonaro é “tchutchuca com outros homens”

⋅ ⋅ ⋅

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos através das redes sociais e dos aplicativos de mensagem. O seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM