Notícias

Recém-nascido para de respirar por 20 minutos, mas faz uma recuperação milagrosa, deixando os médicos perplexos

Um bebê que não estava respirando ao nascer foi submetido a esforços de reanimação por 20 minutos

Montagem com duas fotos de Urias Sheriff, bebê que ficou sem respirar por 20 minutos quando nasceu, mas teve recuperação milagrosa

Um bebê que não estava respirando ao nascer foi submetido a esforços de reanimação por 20 minutos. Durante esse período, os médicos temiam danos cerebrais ou paralisia cerebral, ou que ele simplesmente não sobrevivesse. Agora, quase quatro anos depois, ele é tão capaz quanto seus colegas e sua recuperação é considerada um milagre.

De acordo com a matéria publicada pelo site norte-americano, The Epoch Time, Urias, o filho mais novo de seus pais, Hannah e Jacob Sheriff, de Durant, Oklahoma, nos Estados Unidos, nasceu na Alliance Health Durant em 31 de agosto de 2018 – o mesmo local de nascimento de seus quatro irmãos.

Hannah, uma dona de casa, não tinha ideia do que havia de errado com seu quinto filho até entrar em trabalho de parto ativo.

“Eu cheguei ao final da gestação, então ele estava apenas nove dias adiantado, o que é bastante comum para todas as minhas gestações”, disse Hannah ao Epoch Times. “[Na manhã da] minha consulta de 38 semanas, comecei a sentir muita dor.”

Os médicos verificaram os batimentos cardíacos de Hannah e do bebê, e tudo parecia bem. A então gestante estava com cinco centímetros de dilatação e foi transferida para o Centro da Mulher do hospital, querendo um parto natural. No entanto, após uma contração que durou seis minutos, o plano de parto deu uma guinada.

“Sou cristã e cheia do espírito… comecei a ter urgência de estar atenta”, disse Hannah. “Eu disse à minha enfermeira: ‘Eu sei que o plano não era uma epidural, mas se eu precisar de uma, tudo bem; o que for preciso para que ele chegue saudável.’”

Com a aprovação do médico de Hannah, ela fez a epidural, pois descobriu-se que o bebê não estava lidando muito bem com o trabalho de parto. Hannah soube desde então que sua equipe de parto estava lutando para encontrar a frequência cardíaca do bebê e que havia complicações. Ela foi então transferida para a sala de cirurgia para uma cesariana de emergência.

“Eu não o ouvi chorar, não ouvi nada”, disse Hannah. “Ele estava morto; ele não estava respirando. Eu não conseguia ver ele, por causa do jeito que eles o cobriram... eles não estavam me dizendo nada.”

Hannah havia sofrido um descolamento prematuro da placenta – uma condição séria na qual a placenta se separa da parede do útero antes do nascimento. O bebê Urias foi privado de oxigênio quando nasceu.

O médico de Hannah insistiu em continuar com os esforços de ressuscitação para além da marca de 10 minutos, apesar das chances de sobrevivência do bebê serem baixas.

De acordo com Jacob, o médico era implacável e não ia parar, mesmo que isso fosse contrário à sabedoria convencional.

“Eles conseguiram recuperar a pulsação, mas depois de 20 minutos, todos os órgãos vitais não funcionam mais”, compartilhou Jacob.

O bebê Urias foi intubado e colocado em uma incubadora móvel, depois transferido para a UTIN especializada do Texas Health Presbyterian de helicóptero. Sabendo que era melhor para o bebê, Jacob partiu para hospital enquanto Hannah ficou para trás para se curar da cirurgia.

Urias sofreu duas convulsões em suas primeiras quatro horas de vida, uma no helicóptero e outra na UTIN. Ele foi diagnosticado com encefalopatia hipóxico-isquêmica (HIE), dano cerebral causado pela falta de sangue e oxigênio.

O prognóstico mais provável do bebê foi paralisia cerebral, com convulsões e atrasos no desenvolvimento. “Eles disseram: ‘Você precisa esperar que ele não vá andar, ele não vai falar’”, disse Jacob.

Eles também acrescentaram que, se ele falasse ou andasse, levaria muito tempo.

Jacob e Hannah se reuniram na UTIN após 48 horas. Aqui, o casal recebeu a notícia de que as coisas pareciam ruins e que poderia ser paralisia cerebral de forma extrema.

“Eu também, como mãe, senti que, naquele momento, eu precisava estar disposta a desistir dele… ia confiar em Deus.”

Enquanto a vida de Urias estava em jogo, uma enfermeira noturna testemunhou o primeiro milagre: ele abriu os olhos. Quando Urias saiu de seu tratamento de resfriamento de 72 horas, os médicos avaliaram que sua condição não era tão ruim quanto eles temiam.

Alguns dias depois, uma ressonância magnética identificou “atividade incomum”, mas havia pouco a fazer além de esperar.

“Durante a próxima semana e meia, haveria dias realmente ótimos e um revés”, disse Jacob. “Mas quando eles nos mandaram para casa, foi quando eles disseram: ‘As coisas estão realmente ótimas’… sua recuperação foi uma grande surpresa.”

Hannah e Jacob seguraram seu bebê depois de uma semana e voltaram para casa depois das três semanas. Eles tiraram Urias de sua medicação para convulsões, e sua equipe de atendimento ficou exponencialmente otimista.

“Eles não tinham uma razão médica pela qual ele melhorou”, disse Jacob. “Eles sempre foram muito cautelosos em nos dar esperança. Eu os respeito e os agradeço por isso, mas minha esposa e eu, nossas famílias e nossa igreja éramos bastante obstinados.

O progresso de Urias foi monitorado por enfermeiras da área de Dallas por um ano. Ele então começou a atingir marcos de desenvolvimento.

Hannah disse que as enfermeiras ficaram “surpresas” quando ele aprendeu a engatinhar e ganhou definição muscular, desmascarando seus medos de paralisia cerebral.

Hannah e Jacob descansaram pela primeira vez desde o nascimento de Urias em seu check-up de um ano; seu neurologista pediátrico deu a notícia de mudança de vida de que Urias era “absolutamente normal” e precisaria apenas de mais algumas visitas antes do jardim de infância.

A criança começou a andar por volta dos 13 meses, assim como seus irmãos, e começou a falar “na hora certa”.

“Não precisamos mais ver especialistas”, disse Hannah. “Nós gostamos de nossos outros filhos; nós os levamos para seus exames de rotina, anuais ... mas não houve problemas.

“Você não saberia que ele passou pelo que passou se não conhecesse sua história.”

Aproximando-se de seu 4º aniversário, Urias hoje é uma criança falante com habilidades linguísticas altamente desenvolvidas. Ele abandonou seus medicamentos e está no mesmo nível de seus colegas, em termos de desenvolvimento.

· · ·

+ MATERNIDADE:

Dia Mundial da Amamentação 2022: coisas que as mães devem ter em mente antes e depois do parto

Você já ouviu falar em ‘swaddling’? A técnica de envolver bebês que causa polêmica entre especialistas

· · ·

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos. Seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM