Notícias

Mulher adota bebê que foi abandonado com doença crônica e com pouco tempo de vida

Núria Pérez, enfermeira argentina, decidiu colocar em prática um gesto de empatia incrível. Ela adotou a pequena Zoe que estava abandonado e, segundo os médicos, tinha uma expectativa de vida de aproximadamente 1 ano. “Se ela vai ter uma vida tão curta, seria bom se ela tivesse uma mãe”, afirmou Núria.

Ela conheceu a bebê no hospital em que trabalhava. A bebê foi abandonada pela mãe e as enfermeiras estavam cuidando dela até que o conselho tutelar decidisse o seu destino.

Após conhecer a história da pequena, que foi diagnosticada com hidranencefalia ao nascer, uma doença faz com que a criança tenha massa encefálica na região cerebral preenchida com líquido, Núria decidiu ficar com ela.

Você também pode se interessar por:

  1. Doença fez com que uma menina de 5 anos quisesse esfaquear a mãe
  2. Meus pelos, minhas regras: estas são as famosas que decidiram dizer não a depilação em algum momento
  3. Ativistas lançam “código de cabelos negros” para prevenir discriminação no trabalho
  4. Mulher é inocentada após fazer sexo com adolescente e revolta a web
  5. Após editar selfies por anos, mulher diz que agora se esforça para saber como realmente é
  6. Mulher encontra companheiro abusando sexualmente sua filha de seis anos

“Bebês como Zoe são sempre muito especiais para nós. Temos muito mais contato com eles do que com bebês cujos pais estão presentes. Zoe não era minha paciente e eu só cuidei dela algumas vezes, mas sempre parei para vê-la e lhe fazer companhia por um tempo”, disse ela.

Antes de adotar a menina, a enfermeira descobriu que a mãe a deixou, pois não tinha condições financeira de cria-la.

“Sempre a tratei como qualquer outra criança. Nunca me passou pela cabeça que deveria tratá-la com pena. Levei-a ao parque, levantei-a para brincar com os brinquedos, a levamos para comer fora com a família: coisas normais que talvez alguns pais de criança deficiente nem pensassem em fazer”, conta. Para a alegria de Núria, a menina sobreviveu por 5 anos.

LEIA TAMBÉM

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM