Sexualidade

O amor dos millennials: por que eles fazem menos sexo do que outras gerações?

Embora pareça que com o uso das redes sociais é mais fácil encontrar a sua ‘cara metade’, vários estudos documentam o declínio sexual da geração

O amor dos millennials: por que eles fazem menos sexo do que outras gerações?
O amor dos millennials: por que eles fazem menos sexo do que outras gerações? (Foto: Reprodução/Pexels)

Cada geração tem características diferentes dependendo da época e do contexto em que vivem. A mudança geracional é estudada, incluindo a forma como nos relacionamos uns com os outros.

ANÚNCIO

No caso dos millennials, diferentes estudos detalham como eles se apaixonam e explicam por que eles têm menos relações sexuais.

Jean Twenge, psicóloga da Universidade de San Diego, documentou o declínio sexual dos norte-americanos. A geração silenciosa (nascida nos anos 30 e 40) foi a mais ativa na juventude e a que mais aumentou a taxa de natalidade.

No entanto, para aqueles que tem atualmente entre 18 e 29 anos, ou seja, os millennials e parte da Geração Z, quase um em cada quatro (23%) não fez sexo no ano passado.

Entre os principais fatores está a queda no percentual de indivíduos com relacionamento estável entre os jovens na faixa dos 20 anos, segundo Twenge. Mas a questão é complexa e se choca com a ideia preconcebida de que na época do Tinder e do envio de mensagens com conteúdo sexual, ir para a cama na companhia de alguém era mais fácil. Mas não.

Falta de sexo, um fenômeno global

A revista The Atlantic fala em uma “recessão sexual” generalizada e global, não afetando apenas os americanos, mas se espalhando para outros países desenvolvidos, com jovens imersos nas redes sociais e na vida digital.

Os holandeses, por exemplo, que em 2012 perdiam a virgindade aos 17 anos, agora esperam completar 19 para a sua primeira vez. Já na Finlândia, foi verificada uma diminuição do desejo sexual em mulheres.

ANÚNCIO

Na Espanha, o último balanço da empresa de preservativos Control indica que 64% dos jovens têm, no máximo, uma relação sexual por semana, menos do que gostariam. Nem os suecos se salvam, aparentemente por causa do estresse, até mesmo o governo incentiva a paternidade com todo tipo de ajuda para que a taxa de natalidade não caia, segundo a ABC.

Por outro lado, o Japão está em crise demográfica e estima-se que 43% da população entre 18 e 34 anos ainda seja virgem.

A ‘procrasturbação’

O The Atlantic aponta que os jovens agora preferem sexo solitário a companhia. Não porque o desejo tenha diminuído, mas porque outras formas menos expostas de obter prazer são escolhidas.

Já se fala em ‘procrasturbação’, termo cunhado pelo psicólogo Philip Zimbardo, que funde ‘procrastinação’ e ‘masturbação’ para se referir ao fato de adiar tarefas mais exigentes, inclusive a de encontrar um parceiro, diante da atração de onipresentes e pornografia facilmente acessível acessível.

Por exemplo, o Japão é líder no design de bonecas sexuais sofisticadas. Eles também inventaram vários gêneros de pornografia que, segundo The Economist, “estão se afastando cada vez mais do sexual”, entendido como o que tende a excitar a maioria das pessoas.

O mais significativo “é que muitos jovens de ambos os sexos consideram que a troca de fluidos da forma tradicional é cansativa ou incômoda”. Isso os torna preguiçosos

Os efeitos da pornografia

A geração millennial é ‘pornoativa’ e diferentes estudos sugerem que isso já está tendo consequências. “Não se pode negar o impacto que a nova pornografia distribuída na Internet tem nos comportamentos sexuais, assim como nas relações de gênero. A familiaridade com as práticas de risco, a descontextualização da sexualidade, o imediatismo, a simplificação das relações interpessoais, bem como a ligação a novas modalidades de prostituição, fazem da nova pornografia um fenómeno relevante para a compreensão das relações interpessoais.” advertem Luis Ballester, Carmen Orte e Rosario Pozo, pesquisadores da Universidade das Ilhas Baleares.

Os jovens aprendem o sexo que intimida: para eles, pelo medo de não estar à altura se não forem capazes de emular o que aparece na tela; para eles, porque são objetos sexuais sem voz ou voto. 47 por cento das jovens espanholas tiveram relações sexuais sem desejo.

Por fim, os especialistas apontam que o confinamento da pandemia de COVID-19 e o aumento do uso das redes sociais têm gerado problemas de insegurança nos jovens ao se compararem constantemente com imagens na internet.

· · ·

+ SEXUALIDADE:

Desmistificando 3 mitos comuns sobre namoro bissexual

Poliamor Vs Poligamia: significado, diferenças e dicas

· · ·

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos. Seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

ANÚNCIO

Recomendado:

Tags


Últimas Notícias