Sexualidade

Ginecologista explica o que é vaginismo e destaca os tratamentos disponíveis

Recentemente, a atriz Camila Pitanga revelou já ter sofrido com a condição

Ginecologista explica o que é vaginismo e destaca os tratamentos disponíveis

Estima-se que a dor na hora da relação sexual afete de 5 a 17% da população feminina. O incômodo tem nome e é causado muitas vezes por medo e por estresse excessivo: chama-se vaginismo. Recentemente, em uma entrevista a um podcast, a atriz Camila Pitanga revelou já ter sofrido com a condição.

“A mulher que tem o problema se sente totalmente incapacitada para o sexo, já que seus músculos vaginais se contraem involuntariamente e a penetração se torna inviável por causa da dor”, explica a Dra. Eveline Catão, ginecologista, obstetra e associada da AMCR (Associação Mulher, Ciência e Reprodução Humana do Brasil).

Segundo a médica, muitos fatores podem desencadear o vaginismo. Entre eles, experiências negativas com relação a sexo, abuso sexual, falta de conhecimento sobre o próprio corpo, questões culturais, educação muito opressora, infecções, atrofias, endometriose profunda, mal formações, entre outras.

Recomendados

Dra. Eveline lembra que muitas vezes o vaginismo é visto como “frescura”, ou como frigidez, o que não é verdade. “A condição existe e exige tratamento. Não é interessante deixar para depois, afinal, sem isso a vida sexual nunca será plena”, afirma ela.

A especialista ressalta que somente um ginecologista não consegue ajudar a mulher, já que na maioria dos casos, o vaginismo tem causas psicológicas. “Para entender o que vem causando a dor durante a relação, a mulher necessita recorrer à psicoterapia, além de outros recursos”, informa ela.

Um dos tratamentos para sanar o problema é a fisioterapia pélvica, que atua na reabilitação das disfunções do assoalho pélvico (conjunto de músculos e ligamentos que sustentam órgãos como bexiga, útero, intestino e tudo que fica na região baixa do abdômen). “Esse tratamento pode ajudar a reduzir essas dores, sejam elas fracas ou intensas, contribuindo para o fortalecimento da musculatura da região”.

Outra alternativa é o botox íntimo, que promove um bloqueio na junção neuromuscular. Dessa forma, o estímulo dos neurônios não gera a contração do músculo. “A substância causa o relaxamento dos músculos e facilita a penetração em casos de vaginismo”, explica a ginecologista. Segundo ela, o objetivo é impedir que o impulso nervoso chegue ao músculo da vagina, evitando a sua contração.

“Para isso, são feitas aplicações de botox na mucosa externa e nos músculos de entrada da vagina, que sofrerão uma leve paralisação, já que o produto é conhecido por inibir a atividade muscular”, esclarece ela.

Dra. Eveline recomenda também que sejam utilizados hidratantes íntimos, para garantir mais conforto ao ato sexual. “Esse é um recurso simples e que vale a pena ser aplicado”, finaliza ela.

· · ·

+ SEXUALIDADE:

Especialistas em sexo e relacionamento oferecem 4 dicas para experimentar o sexo virtual

Médica ginecologista fala sobre a sexualidade feminina em suas diferentes fases

· · ·

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos. Seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM