Estilo de Vida

Como os idosos se adaptam às finanças digitais?

Inclusão precisa ser feita para que eles se sintam mais confiantes com a tecnologia

Com as grandes mudanças da internet e da tecnologia, as finanças caminharam junto se adaptando para trazer facilidades aos clientes. Acontece que com todas essas mudanças, muitos idosos ficaram para trás, não conseguindo acompanhar a tecnologia e não se sentindo confiantes para fazer ações pelo celular ou pelo computador, preferindo ainda um canal presencial.

Pensando nisso, a inclusão financeira é essencial, já que depois da pandemia muitos tiveram que se adaptar aos meios digitais de uma hora para outra, sem tempo de aprender. e segundo uma pesquisa, 45% dos consumidores com mais de 60 anos utilizam o serviço bancário pelo celular uma vez por semana.

Ainda assim, é claro que alguns idosos apresentam resistência com as novidades, principalmente com o PIX, sendo a faixa etária que menos realiza transações por esse sistema, já que também carregam o medo de serem enganados.

Uma solução seria através das instituições bancárias, que podem promover workshops ou canais específicos para os idosos, aumentando a credibilidade e deixando o ensinamento prático, podendo tirar dúvidas ali mesmo.

Outra coisa super importante é o atendimento humanizado para diminuir as resistências, já que muitos de nós não gostamos de lidar com robôs no atendimento, e quando chega na faixa etária dos idosos, eles são mais resistentes ainda.

A solução é trazer opções para que os idosos escolham como querem fazer esse pagamento, desenvolvendo ambientes e ensinos de forma diferenciada, mostrando os benefícios e as necessidades de utilizar a tecnologia.

⋅ ⋅ ⋅

Leia mais textos da NOVA MULHER

Lição do BBB que vale para as finanças

Vazamento de dados do PIX: Saiba como se proteger

Dê um passo na carreira com o programa “Yes, She Codes” da Nubank

Globo entra na justiça para tentar recuperar Pix feito por engano

⋅ ⋅ ⋅

Aviso

Este texto é de caráter meramente informativo e não tem a intenção de fornecer diagnósticos nem soluções para problemas médicos ou psicológicos. Em caso de dúvida, consulte um especialista antes de começar qualquer tipo de tratamento.

⋅ ⋅ ⋅

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos. Seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM