Saúde e Bem-estar

Com que frequência você deve ir ao banheiro? Descubra a resposta agora mesmo

Especialista esclarece questões sobre o tema

A gastroenterologista Rabia de Latour diz que não há uma resposta específica para essa pergunta, pois o processo depende de cada pessoa. Por exemplo: alguns vão ao banheiro até duas vezes por dia em certos horários, enquanto outros o fazem três vezes por semana.

O que está claro é quanto tempo você não deve ficar sem ir ao banheiro: “não defecar por três dias pode ser extremamente incomum para algumas pessoas. […] Ficar oito dias sem defecar é preocupante, independentemente do hábito regular de defecação”.

Consequência

Nesses casos, é possível experimentar uma perfuração intestinal, quando as fezes se acumulam tanto que perfuram a parede do intestino. Rabia acrescenta, tranquilizando: “geralmente, isso não ocorre em adultos saudáveis”.

Da mesma forma, o “intestino preso” também pode levar a uma obstrução intestinal: “quando fezes ou alimentos não podem passar pelos intestinos e causam dor intensa, entre outros sintomas, como inchaço e vômitos”.

⋅ ⋅ ⋅

Leia mais textos da NOVA MULHER

Estudo confirma que a maioria das solteiras não está buscando um parceiro; elas são felizes assim!

Garotinha fica famosa porque se parece muito com Mirabel, a protagonista de ‘Encanto’

Gostosa e saudável: 5 grandes benefícios de comer granola no café da manhã

Mechas douradas: 4 looks maravilhosos para você se inspirar

⋅ ⋅ ⋅

Auxílio médico

A recomendação é analisar sua dieta e seu estilo de vida. O mesmo se aplica em caso de medicação: certos remédios podem contribuir para a constipação, como os medicamentos para pressão arterial e controle da dor.

A questão é preocupante quando não há uma mudança radical e mesmo assim há problemas para defecar. Portanto, é recomendado procurar um médico o quanto antes para descobrir as causas e encontrar uma solução. ◼

⋅ ⋅ ⋅

Aviso

Este texto é de caráter meramente informativo e não tem a intenção de fornecer diagnósticos nem soluções para problemas médicos ou psicológicos. Em caso de dúvida, consulte um especialista antes de começar qualquer tipo de tratamento.

⋅ ⋅ ⋅

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos. Seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM