Comportamento e Relacionamento

3 sinais que provam que você sofre de ansiedade, mas ainda não percebeu

Embora variem de pessoa para pessoa, estes são os sintomas mais comuns do problema

Natalie Portman em “Cisne Negro”

A ansiedade é um inimigo silencioso, porque, muitas vezes, as pessoas não percebem os seus sintomas. Tem gente que acredita que tal preocupação será temporária, que o estresse do trabalho está afetando ou que é “assim mesmo”, com uma personalidade mais intensa.

Porém, a ansiedade afeta a mente e a vida diária — o que, a longo prazo, compromete a saúde, a qualidade de vida e as relações sociais. Veja, a seguir, os três principais sinais de que você está sofrendo com esse problema:

⋅ ⋅ ⋅

Leia também

⋅ ⋅ ⋅

Você se preocupa demais

Existem certas coisas que nos preocupam: uma doença, um pagamento atrasado ou uma briga com um amigo, por exemplo. Porém, se esse sentimento é constante, algo está errado.

A preocupação “parece desproporcional aos eventos que o desencadeiam e até costuma ocorrer em resposta a situações normais e cotidianas, dificultando o controle, o que acaba afetando a sua concentração nas atividades do dia a dia”, explica o portal especializado em saúde e bem-estar Healthline (em inglês).

Você está inquieta

A agitação é exaustiva, pois pode resultar em:

  • ataques de pânico
  • batimentos cardíacos acelerados
  • boca seca
  • fadiga
  • insônia
  • sudorese
  • tensão muscular
  • tremores

No entanto, não ter sintomas físicos não significa que você não deva se preocupar com o que está acontecendo na sua cabeça.

Você está irritada

De acordo com estudo citado pela mesma fonte, mais de 90% das pessoas com transtorno de ansiedade generalizada relataram se sentir muito irritadas.

Isso está relacionado às oscilações de humor, além de outros sintomas, como lembranças incômodas ou pensamentos catastróficos.

⋅ ⋅ ⋅

⚠️ Atenção: este texto é de caráter meramente informativo e não tem a intenção de fornecer diagnósticos nem soluções para problemas médicos ou psicológicos. Em caso de dúvida, consulte um especialista antes de começar qualquer tipo de tratamento.

⋅ ⋅ ⋅

Apoie

Compartilhe os textos da NOVA MULHER através das redes sociais e dos aplicativos de mensagem. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho dos nossos redatores, e o seu apoio ajuda a manter este site gratuito.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM