Filmes e Séries

Esses casos reais de crimes brasileiros poderiam virar filme ou série

Depois do documentário sobre o assassinato da atriz Daniella Perez, separamos mais algumas histórias que poderiam ir para as telas

O gênero true crime, com filmes e séries que contam as histórias de crimes da vida real, tem ganhado um certo destaque entre os espectadores brasileiros. São histórias que chocaram o país e que marcaram uma geração com suas repercussões.

Alguns casos mais recentes de crimes reais que foram para as telas são os filmes ‘A Menina que Matou os Pais’ e ‘O Menino que Matou os Meus Pais’, baseados no caso de Suzane von Richtofen e, mais recentemente, o documentário ‘Pacto Brutal’ sobre o assassinato da atriz Daniella Perez.

Esses tipos de produções dão a chance de conhecermos melhor as histórias por trás dos crimes, suas motivações e detalhes da investigação. Importante também para que fiquemos atentos e para que outras tragédias como essas possam ser evitadas.

Pensando nisso, separamos outros casos de grande repercussão brasileiros que poderiam virar filmes ou séries.

Caso Nardoni

Isabella Nardoni foi um dos casos que mais abalou o país. A menina de apenas seis anos foi encontrada morta no dia 29 de março de 2008. A princípio acreditava-se que a menina tinha caído sozinha do sexto andar de um prédio residencial na Zona Norte de São Paulo, e mais tarde, com o depoimento da madrasta e do pai, que ela foi jogada por um criminoso que invadiu a casa. Mas logo com o início da investigação, constatou-se que o pai e a madrasta da criança foram os culpados pela morte da menina. Contudo, o caso reuniu algumas fortes evidências de que talvez a criança tivesse caído sozinha do apartamento. Os médicos Paulo Papandreu e George Sanguinetti escreveram dois livros - dos quais nunca foram circulados no país - defendendo a tese de que a culpa não era dos dois guardiões de Isabella.

Eloá Pimentel

Em outubro de 2008, Eloá Cristina e sua amiga Nayara Cristina foram sequestradas e mantidas em cárcere privado pelo ex-namorado de Eloá, Lindemberg Fernandes Alves. O caso ocorreu na própria residência da menina, em Santo André (Grande SP).

Após algumas horas do ocorrido e com negociações em trânsito, Nayara foi libertada, mas voltou um dia depois a pedido da polícia para ajudar na negociação de Eloá. Contudo, após 100 horas em cárcere, a polícia entrou no local e entraram em luta corporal com Lindemberg, que teve tempo de atirar nas duas reféns. Eloá não resistiu aos ferimentos e acabou falecendo no hospital, já Naiara saiu ferida.

Chacina Candelária

A Chacina da Candelária foi o predecessor de outro crime brasileiro, o Sequestro do Ônibus 174 - longa produzido em 2002. Mas tudo começou na noite de 23 de julho de 1993, na Igreja da Candelária, no centro do Rio de Janeiro, quando dois veículos com placas cobertas pararam pouco antes da meia-noite em frente à igreja. Em seguida, os ocupantes atiraram contra dezenas de pessoas, a maioria adolescentes, que estavam dormindo nas proximidades da Igreja.

Nas investigações, descobriu-se que os autores dos disparos eram milicianos. Como resultado, seis menores e dois maiores morreram e várias crianças e adolescentes ficaram feridos.

Um dos sobreviventes desse episódio foi Sandro Barbosa do Nascimento, que sete anos depois foi um dos protagonistas do sequestro do ônibus da linha 174.

Caso Liana Friedenbach e Felipe Caffé

Liana Friedenbach e Felipe Caffé eram um casal de namorados que saíram juntos para acampar em um sítio abandonado em Embu-Guaçu. Os dois foram abordados por quatro homens e um adolescente. Dois dos criminosos já tinham visto o casal chegando de ônibus na cidade quando decidiram que mais tarde iriam assaltá-los. No entanto, ao tentar roubar o casal, os criminosos perceberam que eles não tinham dinheiro e então decidiram que iriam sequestrá-los e levá-los à casa de um amigo.

O sequestro durou entre os dias 1 e 5 de novembro, onde os criminosos mataram Felipe e “Champinha” estuprou Liana e assassinou ela a facadas depois de alguns dias mantida em cativeiro. O caso dos dois namorados levou o país a uma profunda indignação sobre a maioridade penal nas leis do Brasil, já que Champinha, considerado o “líder” do grupo, tinha apenas 16 anos de idade no ano em que cometeu o crime e não poderia responder como maior pela lei penal.

Maníaco do Parque

Francisco de Assis Pereira, mais conhecido como o Maníaco do Parque, foi um assassino em série que atuou em 1998, nas redondezas do Parque do Estado, na região sul da capital de São Paulo. Francisco estuprou e matou, ao menos, sete mulheres, e tentou assassinar outras nove, mas confessou mais 11 assassinatos, sendo condenado por crimes de estupro, estelionato, atentado violento ao pudor e homicídio. Para atrair as vítimas, o homem se identificava como um caça-talentos, que faria com que as mulheres ganhassem uma boa grana e então as convidava para uma sessão de fotos.

Tim Lopes

Arcanjo Antonino Lopes do Nascimento foi um jornalista investigativo que estava trabalhando em investigação na Vila Cruzeiro, RJ, sobre traficantes de drogas que patrulhavam as comunidades do local, que também exploravam sexualmente menores nos bailes funks. Na tarde de 2 de junho de 2002, Tim Lopes foi gravar uma boca de fumo na Vila Cruzeiro a fim de registrar como os traficantes atuavam no local. Foi então depois de um tempo que Lopes foi abordado por dois membros da facção que controlava a comunidade e ficaram desconfiados de uma pequena luz que saia de uma mochila e então foi sequestrado e levado dentro do Complexo do Alemão. Depois de algumas horas, os membros foram instruídos por Elias Maluco a levar Tim Lopes para outro local onde ele seria morto.

· · ·

+ SÉRIES E FILMES:

Lea Michele, de Glee, revela que não assistiu episódio de tributo a Cory Monteith

Harry Potter: por que Fred e George nunca viram Pedro Pettigrew no ‘Mapa do Maroto’?

· · ·

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos. Seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM