Notícias

Esta mãe achou que estava com depressão pós-parto, mas descobriu que, na verdade, tinha poucos meses de vida

Ela foi diagnosticada com depressão pós-parto por conta do cansaço extremo que sentia depois de dar a luz ao segundo filho

A australiana Chanelle Moles, de 34 anos, foi diagnosticada com depressão pós-parto depois de dar a luz ao seu segundo filho. Ao relatar o extremo cansaço que vinha sentindo, os médicos a diziam que era um processo normal do puerpério, por conta da baixa de hormônios e amamentação.

Mas Chanelle sabia que o fadiga que sentia estava muito além do normal para o período e, como depois confirmou, o problema era bem mais grave. Em entrevista ao jornal The Sun, a mãe diz que tentou mudar a dieta e começar a praticar exercícios para tentar reverter a situação. Um dia, porém, depois de uma caminhada, ela simplesmente desmaiou na cama e ficou dias sem conseguir se levantar.

· · ·

Se você está gostando deste texto, é provável que também se interesse por:Juristas e vítimas de violência obstétrica ainda lutam para que a prática seja criminalizada

· · ·

Foi então que ela e a família pressionaram os médicos, pedindo exames adicionais. E foi aí que veio o verdadeiro diagnóstico: surpresa: ela tinha um tumor enorme no cólon e era isso que estava causando os sintomas.

O câncer não só tinha um tamanho avantajado, como já tinha se espalhado para outros órgãos, como o fígado. Chanelle passou por uma cirurgia para retirar as massas cancerígenas e fez quimioterapia. Mas um mês depois, foi informada de que o tumor havia se espalhado para os ovários, abdome, linfonodos, diafragma, pulmões e, de novo, para o fígado. Os médicos informaram que ela tem cerca de 18 meses de vida.

Na tentativa de dar uma segunda chance à Chanelle, a família e os amigos tentam arrecadar dinheiro por meio de uma vaquinha virtual, para tentar, como último recurso, um tratamento especializado para ela em Houston, nos Estados Unidos.

Em um post nas redes sociais, Chanelle desabafou: “Nunca, em meus sonhos mais loucos, eu poderia ter pensado que cinco anos depois de me tornar uma mãe me diriam que não tenho muito tempo de vida. Todos os dias, quando acordo, desejo poder apenas ‘acordar’ desse pesadelo e ver que tudo foi apenas um sonho. Infelizmente não é. Esta é a minha realidade e a realidade dos meus lindos filhos e marido. Não quero deixá-los, ainda não. Eu amo a vida e estou fazendo tudo o que posso para lutar pela minha”.

· · ·

Aviso

Este texto é de caráter meramente informativo e não tem a intenção de fornecer diagnósticos nem soluções para problemas médicos ou psicológicos. Em caso de dúvida, consulte um especialista antes de começar qualquer tipo de tratamento.

· · ·

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos. Seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM