Notícias

MPF entende que mulheres trans têm direito a proteção pela Lei Maria da Penha

A declaração vai de encontro a argumento do Ministério Público de São Paulo sobre proteção de uma mulher trans agredida pelo pai

O Ministério Público Federal (MPF), constatou que mulheres transexuais têm direito às medidas protetivas de urgência previstas na Lei Maria da Penha. O órgão encaminhou o entendimento em prol das mulheres trans ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), nesta quarta-feira (9/2).

A manifestação vai ao encontro do entendido pelo Ministério Público do Estado de São Paulo (MP/SP) que foi contra uma decisão do Tribunal de Justiça paulista (TJSP), que negou proteção a uma mulher transexual agredida pelo pai.

O tribunal apenas considerou aspectos biológicos para rejeitar o pedido. O MPF, no entanto, afirma que este argumento deve ser rechaçado.

“Ao restringir a aplicação das medidas protetivas da Lei Maria da Penha por acepção biológica (sexual) de mulher, excluindo como sujeito passivo o transexual feminino, a decisão contrariou o artigo 5° da Lei Maria da Penha e ofendeu os princípios da igualdade e da dignidade da pessoa humana”, afirmou a subprocuradora-geral da República Monica Nicida Garcia, que assina a manifestação.

O MPF ainda argumenta que, o artigo 5º da Lei Maria da Penha caracteriza a violência doméstica e familiar contra a mulher como qualquer ação ou omissão baseada no gênero, mas não especifica sobre aspectos biológicos. Logo, ainda que a mulher não tenha sido submetida a cirurgia de transgenitalização, ainda assim deve estar sob a proteção da lei.

A manifestação ainda apresenta dados da Associação Nacional de Travestis e Transexuais do Brasil (Antra) e do Instituto Brasileiro Trans de Educação (IBTE), que mostram que em 2020 ocorreram pelo menos 175 assassinatos de pessoas trans, sendo todas travestis e mulheres transexuais no Brasil. Segundo o levantamento, isso significa dizer que uma pessoa trans perdeu sua vida a cada 48 horas.

*Com informações do Correio Braziliense

⋅ ⋅ ⋅

Leia mais textos da NOVA MULHER

Pesquisas revelam aumento da violência contra a mulher no último ano

Assédio é a principal violência contra meninas e mulheres no ambiente virtual

Violência obstétrica: Shantal Verdelho pede suspensão das atividades de Renato Kalil

Violência psicológica contra mulheres cresce em SP e estado registra uma queixa a cada 2 horas

⋅ ⋅ ⋅

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos. Seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM