Sexualidade

Fazer sexo aos 20 e poucos anos deveria ser só prazer, mas para algumas mulheres é doloroso

Mesmo muitos médicos não percebem que isso pode ser um problema para pacientes mais jovens e mais velhos, dizem os especialistas

Estamos acostumadas a pensar que problemas nas relações sexuais afetam apenas as mulheres mais velhos, pós-menopausa, em muitos casos, por conta das mudanças hormonais que o fase traz para a vida as mulheres.

No entanto, a disfunção sexual feminina pode afetar, e muito, mulheres na faixa dos 20 a 30 anos, como observaram alguns especialistas no assunto. E isso costuma ser chocante para muitas mulheres – e seus parceiros.

“Fazemos muitas suposições incorretas de que adultos mais jovens têm sexo fácil e totalmente satisfatório o tempo todo, quando a realidade é que muitas pessoas nessa faixa etária lutam com isso”, disse ao The Washington Post (em inglês), Mieke Beckman, assistente social e terapeuta sexual a Universidade de Michigan, que trabalha com muitas mulheres na faixa dos 20 e 30 anos.

“Disfunção sexual feminina é um grande termo abrangente para qualquer preocupação com a saúde sexual que incomoda uma mulher”, disse também em entrevista, Rachel Rubin, urologista especializada em medicina sexual e professora clínica assistente em urologia na Universidade de Georgetown. Ela “abrange preocupações com a saúde sexual, como problemas de desejo, problemas de excitação, problemas de orgasmo e, é claro, questões relacionadas à dor”, disse ela.

Mesmo muitos médicos não reconhecem que mulheres jovens podem ter disfunção sexual, acrescentou Rubin, em grande parte devido à falta de educação em muitas faculdades de medicina e até em residências especializadas, como obstetrícia e ginecologia ou urologia.

“Há uma educação muito pobre quando se trata de condições de dor sexual ou medicina sexual em geral”, especialmente quando se trata de mulheres mais jovens, disse Rubin. “Muitas vezes [elas] são informados de que tudo está na cabeça delas e que elas deveriam tomar um copo de vinho e relaxar.”

Sara Ann McKinney, diretora da Clínica Vulvar do Beth Israel Deaconess Medical Center e instrutora de obstetrícia e ginecologia na Harvard Medical School, concorda. “Muitas das condições associadas à disfunção sexual feminina são frequentemente atribuídas ao estado pós-menopausa, mas muitas de fato podem ocorrer antes da menopausa, e as mulheres podem passar décadas antes de receber um diagnóstico, resultando em anos de dor [e] emocional. Sofrimento.”

Um estudo de 2008, feito com mulheres dos Estados Unidos, descobriu que 24,4% das mulheres entre 18 e 44 anos experimentaram o que descreveram como problemas sexuais angustiantes, apenas um pouco menos do que os 25,5% das mulheres com idades entre 44 e 64 anos, globalmente. Uma grande proporção dessas mulheres têm dor.

“Mostramos que, aos 40 anos, cerca de 8% das mulheres sentirão dor vulvar que durou 3 meses ou mais”, Bernard Harlow, professor de epidemiologia da Escola de Saúde Pública da Universidade de Boston, cuja equipe analisou a dor que limitava ou impediu a relação sexual, escreveu em um e-mail. “Em uma publicação anterior que estudou mulheres de 18 a 64 anos, mostramos que a grande proporção de prevalência está concentrada em mulheres na faixa dos 20 e 30 anos.”

Existem várias causas de disfunção sexual feminina – mesmo para uma determinada mulher, vários fatores podem estar contribuindo. Por exemplo, “normalmente existem três razões pelas quais as pessoas têm dor com penetração – pelo menos dor superficial com penetração – problemas com hormônios, problemas com músculos e problemas com nervos”, disse Rubin.

Felizmente, existem bons tratamentos disponíveis. Eles incluem medicamentos orais e tópicos, injeções musculares e até procedimentos cirúrgicos, dependendo da condição. Esses tratamentos médicos geralmente são administrados com fisioterapia e, às vezes, terapia sexual.

“As expectativas realistas são [que] o sexo não deve doer, que o tratamento deve ser dado em uma estrutura biopsicossocial – isso não é tudo na sua cabeça – mas o que isso faz na sua cabeça é muito significativo porque leva a muitos traumas e desconfiança. da comunidade médica”, disse Rubin.

A fisioterapia do assoalho pélvico, que se concentra nos músculos do assoalho pélvico, é a base do tratamento em várias condições que afetam a função sexual, especialmente a dor. O foco da terapia para mulheres mais jovens geralmente é ajudar a relaxar os músculos do assoalho pélvico para permitir uma inserção mais fácil, embora isso possa variar dependendo do diagnóstico específico. O terapeuta primeiro avaliará o paciente e, em seguida, fornecerá exercícios em casa, além do trabalho realizado durante as sessões.

Infelizmente, um grande problema é o número limitado de fisioterapeutas do assoalho pélvico. Além disso, os custos podem aumentar para consultas terapêuticas semanais.

“É uma despesa enorme e já estou em um plano de saúde incrível”, disse Nicole, 26, que mora em Nova York e pediu que seu sobrenome não fosse usado por motivos de privacidade. Nicole foi diagnosticada com disfunção do assoalho pélvico depois de procurar uma segunda opinião por sexo doloroso. Apesar do alto custo desembolsado – as sessões custam US$ 200 cada até que ela atinja sua franquia de US$ 2.500 – ela continuou voltando porque viu uma pequena, mas notável, melhora.

Além do preço, muitas mulheres não sabem que essas opções de tratamento existem. Se tomarem conhecimento, muitas vezes se deparam com listas de espera de vários meses devido à falta de fornecedores qualificados.

“Muitos pacientes me dizem: ‘Eu nem sabia que havia médicos que faziam isso’”, disse McKinney. “Talvez você não tenha acesso à internet em casa e não consiga pesquisar no Google e acessar esses blogs onde eles estão falando sobre ‘vá a um especialista em vulva’.”

Para as mulheres jovens que acessam o tratamento, a maioria pode esperar uma melhora significativa ou completa, disseram médicos e terapeutas. “Depende apenas do que está acontecendo e por quanto tempo, mas com a interseção adequada dos cuidados médicos e fisioterapêuticos, muitos de nossos pacientes estão completamente sem dor”, disse Stephanie Prendergast, fisioterapeuta do assoalho pélvico e cofundadora do Centro de Saúde e Reabilitação Pélvica. “Eles estão fazendo o que querem fazer. É terrível que muitas mulheres sofram por tanto tempo. … Eu não posso enfatizar o suficiente para não desistir.”

Uma mulher de 26 anos, que mora em D.C. e pediu que seu nome não fosse usado por motivos de privacidade, inicialmente considerou sua dor excruciante normal para um primeiro encontro sexual aos 20 anos. Levaria mais quatro anos desse sofrimento antes de começar a perceber que isso não era normal.

“Eu estava muito apertada, muito seca – apenas algo não estava funcionando. Então eu meio que atribuí isso a não estar no ambiente certo, com a pessoa certa, no clima”, diz ela. “Mas então, enquanto eu continuava tentando fazer sexo com penetração com outras pessoas em encontros futuros, eu estava basicamente tendo o mesmo problema.”

Quando ela inicialmente abordou o assunto com um médico, ela disse a ela para usar mais lubrificante e seguiu em frente com a visita. Eventualmente, sua dor tornou-se tão debilitante e isolante que ela evitou o sexo.

“Eu tinha uma associação tão negativa com fazer sexo, falar com um parceiro sobre a possibilidade de fazer sexo – eu simplesmente não falava com parceiros sobre a possibilidade de fazer sexo porque era como esse segredo que eu sabia que não seria trabalho, mas eles ainda não sabiam”, disse ela. “É frustrante sentir que os relacionamentos não progrediram ou terminaram devido a essa coisa que estava realmente fora do meu controle na época.”

Finalmente, aos 25 anos, ela foi a um novo ginecologista que a diagnosticou com disfunção dos músculos do assoalho pélvico e a encaminhou para fisioterapia do assoalho pélvico. Depois de meses de tratamento e exercícios em casa, ela finalmente se sentiu confortável namorando novamente. Agora com 26 anos, ela está com o namorado há 11 meses e faz sexo regular e sem dor.

A ginecologista “foi super validada e até hoje [ela] é a melhor médica que já vi, e eu falei isso pra ela. Eu estava tipo, ‘Você realmente mudou minha vida’”, disse ela.

· · ·

+ SEXUALIDADE:

Geração Z faz menos sexo que as anteriores e este é o motivo

Uso de camisinha cai entre os mais jovens, segundo IBGE

· · ·

Aviso

Este texto é de caráter meramente informativo e não tem a intenção de fornecer diagnósticos nem soluções para problemas médicos ou psicológicos. Em caso de dúvida, consulte um especialista antes de começar qualquer tipo de tratamento.

· · ·

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos. Seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM