Comportamento e Relacionamento

Psicólogo compartilha 3 maneiras para processar e superar traumas

As técnicas de terapia comportamental cognitiva podem ajudar

Janeiro branco: a importância das férias para a saúde mental

“O trauma pode afetar profundamente nossos pensamentos, comportamentos, fisiologia e emoções”, explica o autor e psicólogo Seth Gillihan. “Muitos sobreviventes lutam com as consequências e têm dificuldade em recuperar a sensação de segurança depois do que experimentaram.” Felizmente, as técnicas de terapia comportamental cognitiva (TCC) podem ajudar. Por isso, Gillihan compartilha algumas técnicas-chave baseadas em TCC que podem ajudar as pessoas a se curarem e recuperarem suas vidas após o trauma.

1. Entenda as reações de trauma

Existem muitas maneiras de nos educar sobre o trauma: lendo artigos, participando de grupos de apoio e lendo memórias de sobreviventes de trauma. Ver a nós mesmos nas experiências dos outros nos ajuda a nos sentir menos sozinhos e pode contrariar falsas suposições, como “há algo de errado comigo por ter esses sintomas”.

· · ·

Se você está gostando deste texto, é provável que também se interesse por:Durma com os anjos: psicólogo compartilha maneiras simples e rápidas de melhorar seu sono

· · ·

2. Respire tranquilamente

Podemos treinar novamente a respiração para que ela diminua nossa reação ao estresse e ative a resposta de relaxamento. A reeducação respiratória é muito simples:

  • Inspire pelo nariz contando até 4.
  • Expire pela boca contando até 6.
  • Continue por 3 a 5 minutos.
  • Repita 2 a 3 vezes ao dia.

3. Revisite a memória do trauma

Tentar evitar a memória de nosso trauma tem um efeito semelhante a evitar lembretes do mundo real: quanto mais afastamos a memória, mais ela se intromete e nos sentimos menos capazes de lidar com ela. Ao encarar deliberadamente a memória, ela se torna menos aterrorizante e menos provável de aparecer em nossa consciência sem ser convidada.

· · ·

Aviso

Este texto é de caráter meramente informativo e não tem a intenção de fornecer diagnósticos nem soluções para problemas médicos ou psicológicos. Em caso de dúvida, consulte um especialista antes de começar qualquer tipo de tratamento.

· · ·

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos. Seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM