Saúde e Bem-estar

Sono e demência: o que os cientistas sabem sobre a relação entre os dois?

Você sabia que a demência afeta a saúde e interrompe o sono de várias maneiras?

Sono

Você sabia que a demência afeta a saúde e interrompe o sono de várias maneiras? “A demência é um distúrbio neurodegenerativo, o que significa que as células cerebrais [experimentam] disfunção e morrem progressivamente ao longo do tempo”, explica o psiquiatra geriátrico David Merrill. “À medida que uma pessoa perde células cerebrais, os centros de sono do cérebro começam a [experimentar] disfunção: perdemos a capacidade de enviar sinais para permanecer dormindo.”

Muitas vezes, o sono fica fragmentado ou mesmo invertido, de modo que os pacientes ficam acordados a noite toda e depois dormem durante a maior parte do dia.

· · ·

Recomendados

Se você está gostando deste texto, é provável que também se interesse por:Enxaqueca: anestésico comum pode ser usado para aliviar a dor de cabeça, segundo estudo

· · ·

O que os cientistas sabem

Um estudo descobriu que a sonolência diurna característica da doença de Alzheimer está ligada à morte de células cerebrais importantes. Os pesquisadores sugeriram que isso se deve ao acúmulo de uma proteína e à perda de neurônios em áreas do cérebro que promovem a vigília.

Outra pesquisa, desta vez mais recente, também descobriu que o distúrbio do sono na doença de Alzheimer pode aumentar a gravidade dos sintomas. Neste estudo, realizado em células de camundongos, os pesquisadores descobriram que, quando a fagocitose das placas beta-amiloides era interrompida, as placas se acumulavam.

“Eles identificaram uma molécula (chamada heparan) que inibia essa fagocitose em altas concentrações. Os níveis de heparan mudam ao longo do dia, de modo que os distúrbios nos ritmos circadianos afetam esses níveis e podem ser responsáveis pelo acúmulo de placas na doença de Alzheimer”, explica o portal Medical News Today.

· · ·

Aviso

Este texto é de caráter meramente informativo e não tem a intenção de fornecer diagnósticos nem soluções para problemas médicos ou psicológicos. Em caso de dúvida, consulte um especialista antes de começar qualquer tipo de tratamento.

· · ·

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos. Seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM