Saúde e Bem-estar

Mais um motivo para evitá-la: diabetes tipo 2 pode acelerar o envelhecimento do cérebro

Os pesquisadores encontraram uma correlação entre diabetes tipo 2 e declínio cognitivo

Pesquisadores reuniram dados de mais de 20 mil pessoas levantadas pelo banco de dados biomédico UK Biobank e analisaram 34 estudos cognitivos e 60 pesquisas de neuroimagem para ver se essas investigações corroborariam as suas descobertas.

Para isso, os cientistas compararam pessoas com diabetes tipo 2 com informações como sexo, idade, grau de escolaridade e status de hipertensão. Todos os participantes tinham entre 50 e 80 anos, e o grupo não incluía pacientes com diabetes tipo 1.

Os pesquisadores usaram exames de ressonância magnética para avaliar a atrofia de matéria cinzenta do cérebro das cobaias e analisaram:

  • o raciocínio abstrato
  • a função executiva
  • a velocidade de processamento
  • o tempo de reação
  • os dados de memória numérica.

· · ·

Se você está gostando deste texto, é provável que também se interesse por:Café: cientistas dizem que tomar a bebida com moderação pode diminuir risco de morte

· · ·

Diabetes tipo 2 e envelhecimento do cérebro

Os pesquisadores encontraram uma correlação entre idade e declínio cognitivo nos dados do UK Biobank. Para aqueles com diabetes tipo 2, o declínio da função cognitiva foi significativamente maior:

  • a função executiva mostrou uma diminuição adicional de 13,1%
  • e a velocidade de processamento uma diminuição adicional de 6,7%

“Este trabalho […] fornece informações sobre quais regiões do cérebro são mais sensíveis às mudanças na forma como o corpo utiliza o açúcar como combustível”, explica o diretor da sociedade de Alzheimer Percy Griffin. “Embora sejam necessárias mais pesquisas, esse tipo de imagem cerebral pode ser usado para monitorar a eficácia dos tratamentos de diabetes tipo 2 na redução das alterações neurocognitivas associadas.”

· · ·

Aviso

Este texto é de caráter meramente informativo e não tem a intenção de fornecer diagnósticos nem soluções para problemas médicos ou psicológicos. Em caso de dúvida, consulte um especialista antes de começar qualquer tipo de tratamento.

· · ·

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos. Seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM