Saúde e Bem-estar

Café: cientistas dizem que tomar a bebida com moderação pode diminuir risco de morte

É permitido consumir entre uma e quatro xícaras de café diariamente

Em um estudo, pesquisadores descobriram que é seguro para a saúde, para a maioria das pessoas, consumir entre uma e quatro xícaras de café diariamente — o que equivale a um máximo de 400 miligramas de cafeína por dia. Os estudiosos também observaram se havia uma relação entre a diminuição do risco de morte com o consumo de café. No entanto, “esses estudos não distinguiram entre o café consumido com açúcar ou adoçantes artificiais e o café consumido sem nada”.

O estudo incluiu mais de 170 mil participantes, e os pesquisadores acompanharam os participantes por cerca de 7 anos. Os cientistas também levaram em conta fatores de estilo de vida, clínicos e sociodemográficos na análise. Eles descobriram que mais da metade dos bebedores de café no estudo bebiam café sem açúcar (normalmente, quem adiciona, não ultrapassa 1,5 colher de chá).

· · ·

Se você está gostando deste texto, é provável que também se interesse por:2 mudanças na dieta que podem ajudar a lidar com os sintomas da alergia respiratória

· · ·

O estudo descobriu que o consumo moderado de café, com ou sem açúcar, foi associado a uma diminuição do risco de mortalidade. No entanto, os resultados quanto ao risco de mortalidade e adoçantes artificiais foram inconsistentes.

A professora de medicina da Harvard Medical School Christina Wee afirmou: “o estudo observacional, embora não conclusivo, descobriu que o consumo moderado de café — cerca de 1,5 a 3,5 xícaras por dia — mesmo com adição de açúcar, provavelmente não era prejudicial para a maioria das pessoas e parecia estar associado a uma redução de 30% no risco de mortalidade”.

Essas descobertas sugerem que as pessoas que bebem café podem continuar a fazê-lo sem motivo de preocupação, o que é uma boa notícia para uma grande parte da população.

· · ·

Aviso

Este texto é de caráter meramente informativo e não tem a intenção de fornecer diagnósticos nem soluções para problemas médicos ou psicológicos. Em caso de dúvida, consulte um especialista antes de começar qualquer tipo de tratamento.

· · ·

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos. Seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM