Saúde e Bem-estar

Segundo pesquisa, pausa nas mídias sociais melhora o bem-estar psicológico, a depressão e a ansiedade

Pesquisa recente aponta para uma melhora significativa para a saúde mental, em dar um tempo das rede sociais

O alto uso de mídia social pode resultar em maiores chances de depressão e piorar a saúde mental em geral. De acordo com uma nova pesquisa publicada em Cyberpsychology, Behavior, and Social Networking (em inglês), fazer uma pausa de uma semana em plataformas de rede social como o TikTok e o Instagram, pode melhorar o bem-estar e reduzir os sintomas de depressão e ansiedade.

Alguns estudos anteriores mostraram ainda que os participantes têm melhor bem-estar e níveis mais baixos de solidão e depressão após uma pausa. No entanto, “atualmente ainda há uma falta de estudos que examinem o efeito da redução do uso [de mídias sociais] no bem-estar, depressão e ansiedade, com estudos exigindo mais pesquisas experimentais”, escreveu o autor do estudo Jeffrey Lambert e colegas.

“Para abordar essas lacunas, o presente estudo teve como objetivo entender o impacto de fazer uma pausa de 1 semana [das redes sociais] (Facebook, Instagram, Twitter e TikTok) no bem-estar, depressão e ansiedade em comparação com o uso [redes sociais] normal.”

· · ·

Se você está gostando deste texto, é provável que também se interesse por:Como saber se a sua ansiedade está saindo do controle?

· · ·

Os participantes foram recrutados em vários sites de mídia social e por propaganda boca a boca, anúncios de notícias locais e transmissões de rádio. Os participantes elegíveis eram adultos, relataram usar as mídias sociais todos os dias e estavam dispostos a parar de usar as redes por uma semana. Os participantes que eram usuários de iPhone precisavam acessar o aplicativo ScreenTime e os usuários de Android, o aplicativo ActionDash, que eles usavam para fornecer evidências de seu tempo de tela. A participação foi voluntária e não remunerada.

Os participantes foram aleatoriamente designados para um dos dois grupos: o grupo de intervenção, onde foram solicitados a sair das mídias sociais por uma semana e o grupo de controle, onde continuaram o uso de mídias sociais normalmente. Após 1 semana, todos os participantes responderam a uma pesquisa de acompanhamento em que forneceram evidências de seu tempo de tela nos aplicativos relevantes. Os participantes então completaram medidas de avaliação de bem-estar, depressão e ansiedade, tanto no início da participação quanto na pesquisa de acompanhamento.

Os resultados indicam que o grupo de intervenção apresentou melhora geral nos escores de bem-estar em comparação com o grupo controle. Além disso, o grupo de intervenção mostrou reduções significativas nos escores de depressão e ansiedade em comparação com o grupo controle. As análises de acompanhamento sugerem a melhora no bem-estar e a redução dos escores de depressão e ansiedade trabalhados por meio dos participantes que relataram gastar menos minutos nas mídias sociais.

Os pesquisadores observaram que diferentes plataformas pareciam estar associadas a diferentes resultados psicológicos. “Por exemplo, nossos resultados indicaram que a redução do tempo gasto no Twitter e no TikTok pode mediar o efeito da abstinência na redução dos sintomas de depressão, enquanto apenas o TikTok media a redução da ansiedade”, explicaram.

No geral, os resultados deste estudo se somam à crescente literatura de pesquisa que mostra os impactos negativos do uso das mídias sociais na saúde mental. Os autores citam seu método de recrutamento como uma potencial limitação desta pesquisa, pois recrutar pessoas que já estavam dispostas a se abster das mídias sociais pode ter impactado seus resultados.

O estudo, “Fazer uma pausa de uma semana nas mídias sociais melhora o bem-estar, a depressão e a ansiedade”, foi de autoria de Jeffrey Lambert, George Barnstable, Eleanor Minter, Jemima Cooper e Desmond McEwan.

· · ·

Aviso

Este texto é de caráter meramente informativo e não tem a intenção de fornecer diagnósticos nem soluções para problemas médicos ou psicológicos. Em caso de dúvida, consulte um especialista antes de começar qualquer tipo de tratamento.

· · ·

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos. Seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM