Saúde e Bem-estar

Como saber se a sua ansiedade está saindo do controle?

Em uma cultura obcecada por controle, sentir paz o tempo todo não é realista

Imagine dois cenários: João está preso em um ciclo. Ele é um homem atlético na casa dos 40 anos que trabalha como paramédico e é propenso a ataques de pânico. Quando ele tem ataques de pânico, o coração de João palpita, sua garganta se fecha e ele pensa: “Ah, não, estou tendo um ataque cardíaco!” ou “Ah não, vou acabar com uma forte ansiedade que vai acabar com o meu dia!”

Já quando Ano descreve sua onda de ansiedade, ela diz que parece um furacão que aumenta gradualmente de intensidade. Começa com os ventos tempestuosos de sentimentos ansiosos, e estes são rapidamente seguidos por uma torrente de culpa e vergonha. “Eu me julgo por me sentir ansiosa”, ela diz. “Fico preocupada por ter uma doença, por não ser forte o suficiente e não ser capaz de lidar com a vida.”

Segundo um texto publicado no site Psychology Today (em inglês), em ambos os casos – e em inúmeros outros – existem, na verdade, dois tipos de ansiedade acontecendo.

O primeiro tipo de ansiedade

A primeira é a experiência inicial de ansiedade, como as palpitações do coração de João e os sentimentos de ansiedade de Ana. Estes são desconfortáveis, mas completamente inócuos. Isso mesmo – não há nada problemático, perigoso ou prejudicial de alguma forma em ter alguns pensamentos, sentimentos ou sensações ansiosos. De fato, as sensações físicas associadas a essa forma de ansiedade devem ser desagradáveis, a fim de nos manter alertas e conscientes.

· · ·

Se você está gostando deste texto, é provável que também se interesse por:Autocompaixão: uma técnica de terapia para pensamentos negativos

· · ·

O segundo tipo de ansiedade

O segundo tipo de ansiedade envolve como as pessoas respondem ao primeiro. No caso de João, ele pensa o pior. Quanto a Ana, ela fica presa em um padrão de julgamento e autocrítica. É essa segunda forma de ansiedade que coloca as pessoas em apuros.

Quando percebemos nossas sensações físicas iniciais (desagradáveis, mas inofensivas) de ansiedade como motivo de preocupação, nossa apreensão desencadeia a liberação de adrenalina na corrente sanguínea. Isso faz com que nossa ansiedade cresça ainda mais, o que normalmente gera mais sentimento de catástrofe e autocrítica. O resultado é um ciclo vicioso e, voilà, a ansiedade fica fora de controle.

O fator crítico que gera e perpetua esse ciclo é ver a ansiedade como algo que não deveríamos ter. Nossa necessidade de se livrar da ansiedade aumenta nossos sintomas. Para alguns, é mais como uma avalanche do que um furacão, pois o choque inicial do reconhecimento sacode camadas soltas de detritos mentais e emocionais até que a pessoa tenha medo de ser sufocada.

O que foi dito acima levanta uma questão: se a experiência inicial de ansiedade não é inerentemente perigosa, mas apenas desconfortável, por que ela nos deixa com tanto medo?

O desejo de controle e segurança

A explicação mais convincente para esse paradoxo é que nossa cultura é obcecada pelo controle. Hoje, temos previsões para tudo, desde mercados financeiros, eleições políticas e epidemias de gripe até resultados de esportes profissionais e o clima. E apesar do fato de que tais previsões são notoriamente incorretas – muitas vezes por uma ampla margem – nós as examinamos como os adivinhos da Roma antiga examinavam as entranhas de animais sacrificados.

Nessa linha, “medicalizamos” estados de humor normais. O que já foi considerado níveis padrão de estresse em décadas passadas é uma razão para uma prescrição de ansiolítico hoje. Esperamos que nossas emoções sejam totalmente equilibradas — queremos sentir equanimidade, paz e felicidade o tempo todo. Como resultado, não podemos lidar com o desconforto ou o perigo percebido de nos sentirmos ansiosos e desencorajados. Nossa incapacidade de aceitar uma gama completa de emoções humanas normais (incluindo o primeiro tipo de ansiedade) faz com que nossa angústia se intensifique (o segundo tipo de ansiedade).

Fazemos tudo isso porque nossa cultura não pode tolerar a incerteza. Preferimos prever o futuro e estar completamente errados do que admitir que não temos ideia do que vai acontecer!

Também somos obcecados por segurança. No contexto da afluência incomparável e sem precedentes de nossa sociedade, nos acostumamos a uma falsa sensação de segurança. Quando momentos de ameaça penetram o véu, somos lançados em pânico.

Ironicamente, os indivíduos que vivem no terceiro mundo estão em vantagem quando se trata de ansiedade porque são menos propensos a esperar segurança ou proteção. Como tal, quando a realidade bate, ela é simplesmente compreendida e aceita como parte da vida. Talvez seja por esse motivo que a ansiedade seja maior nos Estados Unidos do que em todas as outras nações do mundo,1 e as nações mais ricas estão substancialmente piores do que aquelas com menos recursos.2

Como podemos impedir que nossa ansiedade fique fora de controle? Precisamos internalizar que a experiência inicial de ansiedade em si não é um problema. Não há nada de errado com você por estar tenso, ansioso ou com medo. A ansiedade não é nada a temer! Na verdade, a experiência inicial da ansiedade é realmente positiva, pois nos mantém alertas, conscientes e seguros. Uma vez que percebemos esse conceito básico, nunca precisamos catastrofizar sobre sentimentos ansiosos ou nos julgar por nos sentirmos ansiosos, e é menos provável que nossa ansiedade fique fora de controle.

· · ·

Aviso

Este texto é de caráter meramente informativo e não tem a intenção de fornecer diagnósticos nem soluções para problemas médicos ou psicológicos. Em caso de dúvida, consulte um especialista antes de começar qualquer tipo de tratamento.

· · ·

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos. Seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM