Saúde e Bem-estar

Um burnout permanente pode ser na verdade uma alta carga alostática

Saiba mais sobre essa questão

Não importa quantos dias você dorme, descansa ou quantos dias trabalhe, parece que o esgotamento não vai embora, não é mesmo? Isso pode ser chamado de alta carga alostática, ainda mais quando precisamos lidar com condições extremamente estressantes, o que se tornou normal em uma sociedade que recompensa quem é produtivo ao extremo.

Leia também:

Transtorno de estresse pós-pandemia: saiba mais sobre esse fenômeno

A carga alostática nada mais é do que uma quantidade cumulativa de estresse no corpo, sendo descrito como o estresse de desgaste. A alostase são os esforços feitos para manter a homeostase do corpo, as funções corporais que nos deixam em equilíbrio, e que faz nosso corpo reagir desfavoravelmente quando estamos perturbadas.

“Quando há estresse excessivo, por um período muito longo, os efeitos fisiológicos desse estresse no corpo são agora reconhecidos como tendo sérias consequências patológicas. O estresse afeta diretamente os sistemas metabólico, cardiovascular, neuroendócrino e imunológico – cujas funções estão intimamente relacionadas.” conta Dr. Lee.

O estresse pode ser agudo ou crônico, por conta de fatores contínuos como dificuldades no relacionamento, problemas no trabalho ou pressões financeiras, além do estresse social por conta da solidão que tivemos com a pandemia, o que nos faz viver a vida em excesso quando o estresse não é aliviado, causando pensamento desordenado, má tomada de decisão, comprometimento da memória, alteração de humor, preocupação crônica, sonhos ruins e pesadelos.

É preciso um tempo para saber se você está com uma alta carga alostática, e para recuperar é necessário uma mudança no estilo de vida, junto com uma contribuição psicológica em aconselhamento ou terapia cognitivo-comportamental, já que não existe um consenso claro sobre como medir a melhora.

Para se cuidar, além da terapia vale ficar de olho na sua saúde física, na alimentação, buscar novos hobbies, mudar seus hábitos, e lidar também com o estresse do trabalho, sabendo quando é necessário parar para não se prejudicar.

· · ·

Aviso

Este texto é de caráter meramente informativo e não tem a intenção de fornecer diagnósticos nem soluções para problemas médicos ou psicológicos. Em caso de dúvida, consulte um especialista antes de começar qualquer tipo de tratamento.

· · ·

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos. Seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM