Saúde e Bem-estar

O que a serotonina tem a ver com transtornos alimentares?

A serotonina influencia em muitas funções que contribuem para nosso humor e bem-estar

A serotonina é uma substância química produzida principalmente em nosso trato digestivo. Apesar de sua origem humilde no intestino, a serotonina tem a importante tarefa de decidir quais células cerebrais devem ser “desligadas” (inibidas) durante as conversas celulares.

De acordo com uma matéria publicada no site Psychology Today (em inglês), que explica a função da serotonina no nosso corpo, ao controlar quais células podem “falar” durante as conversas celulares, a serotonina pode influenciar qualquer coisa, desde o quanto estamos com fome, até o quanto nos sentimos ansiosos.

Simplificando, a serotonina pode controlar as conversas que nossas células têm sobre muitas funções importantes do corpo.

Recomendados

Por que as pessoas têm níveis diferentes de serotonina?

Nossos corpos requerem certas quantidades de serotonina para funcionar de forma otimizada. No entanto, nem todo o corpo produz a quantidade “ideal” de serotonina.

Uma razão pela qual as pessoas têm níveis diferentes de serotonina são nossos genes, que determinam a quantidade de serotonina que nossos corpos produzem.

Os genes são manuais de instruções que herdamos de nossos pais que dizem ao nosso corpo quais partes de proteína são necessárias para que ele funcione da melhor maneira possível.

· · ·

Se você está gostando deste texto, é provável que também se interesse por:É assim que um narcisista manipula psicologicamente os seus parceiros

· · ·

Para muitas pessoas, o manual de instruções da serotonina produz um número eficiente de peças, tornando essas pessoas mais resistentes a determinados distúrbios, como a depressão.

Nem todo mundo herda o mesmo manual de instruções da serotonina, no entanto. Em vez disso, o manual de instruções de algumas pessoas diz ao corpo para produzir mais (ou menos) proteínas relacionadas à serotonina do que o necessário, ou para criar proteínas deformadas.

Essas diferenças na produção de proteínas podem levar a aumentos ou diminuições extremas de serotonina, eliminando funções biológicas precisas (por exemplo, digestão e estresse) e psicológicas (como a ansiedade) que nos mantêm saudáveis.

Além de nossa genética, nossos ambientes também podem influenciar a quantidade de serotonina que nossos corpos produzem. Com quem socializamos, o que e quanto comemos e quanto dormimos podem afetar nossos níveis de serotonina, assim como estresse, exercício, idade e exposição à luz solar.

Distúrbios de serotonina e compulsão alimentar

Embora saibamos que a serotonina desempenha um papel significativo no desenvolvimento do transtorno alimentar, exatamente como ainda não está claro.

Pessoas que comem compulsivamente (por exemplo, transtorno da compulsão alimentar periódica e bulimia nervosa) tendem a ter níveis de serotonina abaixo da média. Isso faz sentido considerando que várias características dos distúrbios alimentares podem ser influenciadas pela baixa serotonina.

Por exemplo, baixos níveis de serotonina contribuem para a depressão, que é frequentemente diagnosticada junto com compulsão alimentar. Descobriu-se que as pessoas que comem compulsivamente experimentam maior recompensa ao comer, o que significa que comer pode ser uma maneira de aliviar a depressão.

Além disso, a baixa serotonina tem sido associada à impulsividade e dificuldades em reconhecer a plenitude, ambas típicas do transtorno da compulsão alimentar. Se a sugestão de plenitude for muito silenciosa para algumas pessoas, elas podem continuar comendo além do que as satisfaria. Isso é especialmente verdadeiro se eles agem por impulsos para reduzir a depressão.

Distúrbios de Serotonina e Restrição Alimentar

A relação entre alimentação restritiva (por exemplo, anorexia nervosa, AN) e serotonina é um pouco mais confusa.

Enquanto alguns estudos descobriram que as pessoas com AN têm níveis de serotonina abaixo da média, outras descobertas sugerem que as pessoas com AN têm níveis de serotonina acima da média e que esses níveis anormalmente altos são escondidos pela fome. Isso ocorre porque durante a restrição alimentar nossos níveis de serotonina caem.

Níveis elevados de serotonina podem ajudar a explicar vários sintomas de AN.

Por exemplo, altos níveis de serotonina são frequentemente associados à ansiedade, particularmente compulsões. O transtorno obsessivo compulsivo (TOC) é o transtorno de ansiedade mais comum na AN, com os dois transtornos tendo possível sobreposição genética. A ansiedade pode motivar as pessoas com AN a se envolver compulsivamente em comportamentos de TA que reduzem a ansiedade, como restrição alimentar.

Outro sintoma de AN para o qual altos níveis de serotonina podem contribuir é o perfeccionismo.10 Pessoas com AN geralmente têm traços de personalidade perfeccionista, que, quando combinados com ansiedade e compulsividade, podem explicar por que esses indivíduos se envolvem em comportamentos repetidos, mas destrutivos. Buscar compulsivamente a perfeição pode reduzir sua ansiedade.

Finalmente, altos níveis de serotonina estão associados à restrição comportamental ou à capacidade de nos impedir de fazer algo. As pessoas com AN são geralmente rígidas e restritivas, o que ajuda a explicar por que esses indivíduos são capazes de seguir “regras” rígidas que estabeleceram para si mesmos. , como a contagem extrema de calorias.

Serotonina e distúrbios alimentares menos conhecidos

Infelizmente, sabemos muito pouco sobre o papel da serotonina em evitar o transtorno restritivo da ingestão de alimentos.

No entanto, estudos de farmacologia mostraram que medicamentos de serotonina (por exemplo, ISRSs) reduzem os sintomas desses transtornos, possivelmente diminuindo a ansiedade sobre refeições e alimentos, bem como a compulsividade. Mais pesquisas são necessárias, no entanto, para entender esses efeitos.

Os desafios de tirar conclusões sobre serotonina e transtornos alimentares

Apesar da promessa dessas descobertas, é muito cedo para tirar conclusões definitivas sobre o papel da serotonina nos distúrbios alimentares.

Uma razão para isso é que não temos tecnologia para analisar funções moleculares específicas em pessoas com disfunção alimentar. Modelos animais de distúrbios alimentares podem esclarecer alguns desses mistérios, mas apenas até certo ponto. Precisamos de tecnologias mais precisas para entender completamente os aspectos moleculares dos distúrbios alimentares.

Além disso, como a maioria dos estudos observa a serotonina em pessoas atualmente doentes ou recuperadas de um transtorno, é difícil determinar como eram os níveis de serotonina antes do desenvolvimento das condições. Em outras palavras, os níveis atípicos de serotonina contribuíram para o desenvolvimento do distúrbio alimentar? Ou ter distúrbios alimentares alterou os níveis de serotonina da pessoa? A desnutrição e outros efeitos colaterais de um transtorno (por exemplo, problemas cardiovasculares) também podem dificultar o estudo da serotonina.

Isso não deve ser desencorajador, no entanto. Enquanto ainda estamos lutando para encontrar as melhores maneiras de estudar a serotonina em distúrbios alimentares, a evidência limitada que temos demonstrou que a serotonina é provavelmente uma das substâncias químicas mais importantes envolvidas no desenvolvimento de distúrbios alimentares e sua persistência. Isso por si só pode ajudar a orientar futuros tratamentos farmacológicos, tornando o futuro do tratamento desses transtorno mais fáceis.

· · ·

Aviso

Este texto é de caráter meramente informativo e não tem a intenção de fornecer diagnósticos nem soluções para problemas médicos ou psicológicos. Em caso de dúvida, consulte um especialista antes de começar qualquer tipo de tratamento.

· · ·

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos. Seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM