Sexualidade

As 10 melhores cenas de sexo em filmes, de Moonlight a Carol

O que faz uma cena de sexo ser perfeita?

O que faz a cena de sexo ser perfeita? O erotismo puro? Suas correntes emocionais? O deslocamento e o fluxo da câmera? Bom, não existe uma resposta única e real para esses questionamentos.

Nosso conceito de como o sexo deve funcionar no filme conta com muitas variantes: o que pessoalmente nos deixa excitados, se buscamos o fantástico ou o realista, ou como essas cenas devem se relacionar emocionalmente com o resto do filme. Uma ótima cena de sexo pode ser crua e apaixonada, lânguida e romântica; pode ser tingido com um ar de tristeza e saudade, ou até mesmo ser hilária.

Os critérios são bastante abertos. Então, sob essa luz, aqui estão os candidatos a algumas das melhores cenas de sexo já filmadas:·

· ·

Se você está gostando deste texto, é provável que também se interesse por:A perigosa ascensão dos mitos de saúde sexual nas mídias sociais

· · ·

Namorados para Sempre (2010)

Derek Cianfrance se atreveu a retratar o sexo com todo o senso de realismo, tanto física quanto emocionalmente, mostrando a personagem de Michelle Williams, Cindy, recebendo sexo oral. “O sexo parecia real - não era sexy ou ‘uma cena de sexo’, e é por isso que tivemos problemas”, comentou o co-estrela Ryan Gosling ao The Observer na época. “Você não deve ser penalizado por fazer um bom trabalho.”

Além dos Limites (2000)

Gina Prince-Bythewood mostrou magistralmente a Hollywood como o cinema pode retratar sexo realista sem qualquer perda de romantismo ou intimidade. Isso é especialmente verdade em sua estreia na direção em ‘Além dos Limites’, de 2000, no qual Monica (Sanaa Lathan) perde a virgindade com o namorado de infância, Quincy (Omar Epps).

E Sua Mãe Também (2001)

O clássico estridente de Alfonso Cuarón inverte a comédia sexual americana: Julio (Gael García Bernal) e Tenoch (Diego Luna) são jovens estereotipados e obcecados por sexo, perturbados com a ideia de suas namoradas deixarem o país. Escolhendo viver como solteiros, eles fazem amizade com uma mulher mais velha (Maribel Verdú), que os seduz. No entanto, o filme os leva a uma verdade difícil: sua própria bissexualidade, finalmente libertada durante o famoso trio do filme.

God’s Own Country (2017)

A estrela de ‘God’s Own Country’, Alec Secareanu, admitiu que estava inicialmente “com muito medo” dos tipos de cenas que ele seria encarregado de filmar para o filme de drama gay. “Mas a forma como cada personagem faz sexo diz muito sobre eles; a maneira como eles desenvolvem seu relacionamento”, disse ele à Attitude.

Carol (2015)

Um filme que encontra seu erotismo em pequenos gestos - no lânguido descanso de uma luva, em um olhar, compartilhado em uma sala lotada - quando se trata do diretor Todd Haynes filmando a primeira vez que Therese (Rooney Mara) e Carol (Cate Blanchett) fazem sexo, sua química já é tão palpável que o momento parece nada menos que explosivo.

Moonlight (2016)

O vencedor do Oscar de Barry Jenkins é uma das representações mais ternas do anseio no cinema moderno. Um exame de identidade, sexualidade e família como testemunhado em três fases diferentes da vida, seu protagonista Chiron (interpretado por Ashton Sanders aqui, em outros pontos por Alex Hibbert e Trevante Rhodes) experimenta seu primeiro encontro sexual com o colega Kevin (Jharrel Jerome), em uma praia tranquila e isolada. A confusão deles pode ser uma prova da estranheza das primeiras experiências de um adolescente, mas a abordagem de Jenkins também dá ao momento uma graça profunda e um reconhecimento de como isso moldará a própria visão de Quíron sobre si mesmo.

Inverno de Sangue em Veneza (1973)

Muito parecido com ‘Namorados para Sempre’, o clássico de Nicolas Roeg de 1973 rapidamente enfrentou controvérsia devido a uma cena de sexo tão emocionalmente fiel (ao mesmo tempo em que retratava uma personagem feminina, Laura de Julie Christie, recebendo sexo oral), que causou confrontos com os censores. Um casal de luto desesperadamente segurando os restos de seu casamento após a morte de seu filho, as emoções cruas e a vulnerabilidade de Laura e John (Donald Sutherland) neste momento são notoriamente intercaladas com os preparativos pós-coito para jantar - uma tentativa, na verdade, para saciar os censores.

Team America: World Police (2004)

O sexo é engraçado, às vezes hilário. Não há como passar por esta lista sem reconhecer esse fato, e não há filme melhor para resumi-lo do que ‘Team America: World Police’ e sua infame relação de marionetes, preenchendo entusiasticamente todas as posições sexuais que existem.

Cidade dos Sonhos (2001)

Confie em David Lynch para criar uma cena de sexo altamente carregada, que inevitavelmente só se torna parte da web criada para nos enganar e confundir. Rita (Laura Harring) e Betty (Naomi Watts) podem consumar suas afeições borbulhantes uma pela outra de uma maneira sensual e onírica – mas quem é Rita neste momento? Quem é Betty? Esse encontro é real ou imaginado?

Infidelidade (2002)

Um dos melhores exemplos do thriller erótico, o diretor Adrian Lyne retrata o caso extraconjugal em toda a sua urgência, todo o seu espectro de emoções conflitantes, quando a dona de casa suburbana Connie (Diane Lane) fica encantada por um belo jovem francês (Olivier Martinez).

· · ·

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos. Seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM