Comportamento e Relacionamento

Psicóloga social sugere 3 atitudes para se sentir menos sozinho e mais conectado

Aprenda a lidar com a solidão com as dicas de uma psicóloga

Veja as características da síndrome do impostor

“A solidão é um sinal de alerta biológico que nos permite saber que não estamos atendendo a uma necessidade humana básica: a necessidade de conexão social”, explica a psicóloga social Natalie Kerr. “Assim como a fome nos motiva a comer, a solidão nos leva a fortalecer os nossos relacionamentos sociais.” Ela também lista algumas sugestões úteis para se sentir menos sozinho.

1. Reconheça a natureza da sua solidão

O isolamento pode ser interpretado pelo cérebro como uma ameaça à sobrevivência. Como resultado, quando você está sozinho, seu cérebro entra em modo de autopreservação. “O seu subconsciente se torna hipervigilante […], fazendo com que detecte riscos mesmo quando não existem”, comenta a psicóloga. Um exemplo: o cérebro solitário pode interpretar um amigo que não atende o telefone como um sinal de abandono. Entender como a solidão pode afetar as suas percepções e os seus comportamentos é o primeiro passo.

· · ·

Se você está gostando deste texto, é provável que também se interesse por:Psicóloga explica os 4 principais motivos pelos quais as amizades acabam

· · ·

2. Não negue os seus sentimentos

Você não tem vergonha de admitir que está com fome ou com sede, tem? Por que deveria ser diferente quando se trata de solidão? Tenha em mente que a solidão é uma reação biológica e não indica que algo está errado com você.

3. Remova o sinal de aviso

A solidão não tem um botão de desligar, mas você pode “resetar o seu cérebro”. Aposte em métodos de relaxamento no corpo, como ioga e meditação. “Em um estudo, pessoas que começaram a meditar por 20 minutos todos os dias se sentiram muito menos solitárias depois de apenas 14 dias”, garante Natalie Kerr.

· · ·

Aviso

Este texto é de caráter meramente informativo e não tem a intenção de fornecer diagnósticos nem soluções para problemas médicos ou psicológicos. Em caso de dúvida, consulte um especialista antes de começar qualquer tipo de tratamento.

· · ·

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos. Seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM