Saúde e Bem-estar

É assim que funciona uma episiotomia durante o parto

Dar à luz pode ser estressante e algumas mulheres podem ter que recorrer ao procedimento

A episiotomia é um procedimento que pode ajudar a saída do bebê em parto difícil e evitar a ruptura do tecido vaginal. Mas é importante lembrar que no Brasil o procedimento só pode ser feito com autorização expressa na mãe. Além disso, tanto o Ministério da Saúde como a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendam que ela seja evitada na maioria dos casos.

O jornal britânico The Sun (em inglês), repercutiu essa semana, o vídeo de uma especialista explicando como a episiotomia é feita. A socorrista e CEO da organização de pais Tiny Hearts Education, Nikki Jurcutz, disse que o procedimento é realizado usando tesouras próprias.

Leia mais: Rihanna fala sobre que tipo de mãe ela será: ‘Se falar sobre meus filhos, já era!’

“As episiotomias são realizadas para evitar danos graves no períneo, no fundo ou na parte interna da vagina [a área onde está a uretra e o clitóris]”, explica a socorrista. “Isso porque “rasgos” graves podem afetar significativamente seu futuro parto e experiências sexuais, dependendo da localização e gravidade da laceração”, continua.

Como dito acima, este é um procedimento que não é recomendado rotineiramente e existem algumas circunstâncias especiais sobre quando pode ser realizado. Nikki disse que uma das principais razões para uma episiotomia é quando uma mãe está tendo um parto a vácuo ou com fórceps.

As organizações de saúde afirmam que isso é conhecido como parto assistido e só será usado quando for necessário para você e seu bebê. Partos assistidos são necessários em cerca de um a oito partos e podem ser realizados se a parturiente não puder fazer força devido a problemas como pressão alta.

A gestante também pode ter um parto assistido se houver preocupações com a frequência cardíaca do bebê ou se o bebê estiver em uma posição desconfortável. Nikki acrescentou que uma episiotomia pode ser realizada se a área vaginal da mãe estiver mostrando sinais de estresse significativo, como ‘buraco de botão’.

O buraco do botão é como um pequeno rasgo que pode criar um buraco entre o intestino e a vagina - é uma condição rara que pode resultar de parto vaginal. Você também pode precisar de uma episiotomia, disse Nikki, se o bebê estiver estressado e precisar nascer imediatamente, pois isso acelerará o nascimento.

Leia mais: Não sabia que estava grávida? Entenda o que é a gravidez silenciosa

Antes de realizar uma episiotomia, Nikki disse que um médico ou parteira deve aplicar anestesia no local para garantir que a mãe não sinta o corte. “Uma episiotomia só pode ser cortada com o seu consentimento, por isso é importante conversar com seu médico de antemão sobre as circunstâncias em que você consente e não consente, porque pode ser fácil dizer sim ou não no calor do momento sem realmente pensar nisso”, alerta Nikki.

Geralmente, as episiotomias são cortes no tamanho da mão direita da mãe, em um ângulo entre 30 e 60 graus. Um corte for feito direto para baixo, oferece o risco de que ele se estenda até o ânus. Também é importante saber que as episiotomias não são infalíveis.

“Só porque você teve uma episiotomia, não significa que você não sofrerá nenhum outro tipo de trauma na área também. Ee você tiver uma episiotomia, ela será costurada após o nascimento. ”, explica.

⋅ ⋅ ⋅

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos. Seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM