Saúde e Bem-estar

Pesquisa revela como os ritmos alimentares afetam nossa saúde mental

Existe uma ligação entre os circuitos neurais que comandam a fome e o humor

Comer é uma parte essencial da vida humana e acontece que, não apenas o que comemos, mas quando comemos pode afetar nossos cérebros. Uma pesquisa revelou que horários irregulares de alimentação contribuem para problemas de saúde mental, incluindo depressão e ansiedade, bem como para doenças cardiometabólicas e ganho de peso.

Felizmente, é possível alavancar nossos ritmos alimentares para limitar o humor negativo e aumentar a saúde mental. O estudo (em inglês) feito por doutorandos na área de neuropsiquiatria e psiquiatra sobre nutrição e transtornos de humor, se concentrou em investigar como os ritmos alimentares afetam o cérebro.

Veja como tudo funciona: o sistema do relógio circadiano é responsável por alinhar nossos processos internos em horários ideais do dia com base em dicas do ambiente, como luz ou comida. Os humanos evoluíram essa área para atender às necessidades energéticas que mudam muito ao longo do dia e da noite, criando um padrão rítmico para nossos hábitos alimentares que segue a programação do sol.

Leia mais: Esta poderosa fruta vai te ajudar regular a pressão, combater doenças e auxiliar na perda de peso

Embora o relógio principal gerencie a função metabólica durante o ciclo dia-noite, nossos ritmos alimentares também afetam o relógio principal. Os tecidos digestivos têm seus próprios relógios e mostram oscilações regulares no funcionamento ao longo do ciclo de 24 horas. Por exemplo, o intestino delgado e o fígado variam ao longo do dia e da noite em termos de capacidade digestiva, absortiva e metabólica.

Quando o principal relógio circadiano do cérebro está fora de sincronia com os ritmos alimentares, isso afeta a capacidade do cérebro de funcionar plenamente.

Embora o cérebro seja apenas 2% da nossa massa corporal total, ele consome até 25% de nossa energia e é particularmente afetado por mudanças na ingestão de calorias. Isso significa que horários de refeições anormais tendem a ter resultados negativos para a saúde.

Comida e humor

Embora os mecanismos subjacentes ainda sejam desconhecidos, há sobreposição entre os circuitos neurais que governam a alimentação e o humor. Além disso, os hormônios digestivos exercem efeitos sobre a dopamina, um neurotransmissor que desempenha um grande papel no humor, energia e prazer.

Indivíduos com depressão e transtorno bipolar têm níveis anormais de dopamina. Acredita-se que os ritmos alimentares alterados contribuem para a má manutenção do humor.

A alimentação irregular pode até desempenhar um papel nas complexas causas subjacentes dos transtornos de humor. Por exemplo, indivíduos com depressão ou transtorno bipolar apresentam ritmos internos perturbados e horários irregulares das refeições, o que piora significativamente os sintomas de humor.

Além disso, os trabalhadores em turnos – que tendem a ter horários irregulares de alimentação – apresentam maiores taxas de depressão e ansiedade quando comparados com a população em geral.

Apesar dessas evidências, a avaliação dos ritmos alimentares não faz parte do atendimento clínico padrão na maioria dos ambientes psiquiátricos.

Otimizando os ritmos alimentares

Então, o que pode ser feito para otimizar nossos ritmos alimentares? Um método promissor que encontramos em nossa pesquisa é a alimentação com restrição de tempo (TRE), também conhecida como jejum intermitente.

O TRE envolve restringir a janela de alimentação a uma certa quantidade de tempo durante o dia, geralmente de quatro a 12 horas. Por exemplo, optar por comer todas as refeições e lanches em uma janela de 10 horas das 9h às 19h reflete um período de jejum noturno. Evidências sugerem que este método otimiza a função cerebral, o metabolismo energético e a sinalização saudável dos hormônios metabólicos.

O TRE já demonstrou prevenir sintomas depressivos e de ansiedade em estudos com animais projetados para modelar o trabalho por turnos. Os efeitos antidepressivos do TRE também foram demonstrados em humanos. Comer regularmente também é benéfico para reduzir o risco de problemas de saúde, como obesidade, diabetes e doenças cardiovasculares.

Leia mais: Os melhores alimentos para a saúde do seu cérebro

Ritmos circadianos em um mundo de 24 horas

Vivemos em um mundo 24 horas cheio de luz artificial e acesso 24 horas a alimentos. Isso torna os efeitos dos ritmos alimentares perturbados na saúde mental um tópico importante para a vida moderna.

À medida que mais pesquisas fornecem dados que avaliam os ritmos alimentares em indivíduos com transtornos de humor, a incorporação do tratamento do ritmo alimentar no atendimento clínico pode melhorar significativamente a qualidade de vida do paciente.

Para a população em geral, é importante aumentar o conhecimento público sobre formas acessíveis e acessíveis de manter uma alimentação saudável. Isso inclui prestar atenção não apenas ao conteúdo das refeições, mas também aos ritmos alimentares. Alinhar os ritmos alimentares com o horário do sol trará benefícios duradouros para o bem-estar geral e pode ter um efeito protetor contra doenças mentais.

⋅ ⋅ ⋅

Aviso

Este texto é de caráter meramente informativo e não tem a intenção de fornecer diagnósticos nem soluções para problemas médicos ou psicológicos. Em caso de dúvida, consulte um especialista antes de começar qualquer tipo de tratamento.

⋅ ⋅ ⋅

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos. Seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM