logo
/ Caio Borges - UOL – reprodução
Estilo de Vida 21/07/2021

Após descobrir que seu vídeo de sexo foi publicado em site pornô, ela criou um app para ajudar outras vítimas

Uma jovem chinesa, de 25 anos, descobriu que seu vídeo de sexo tinha sido publicado em um site pornô. Ela decidiu transformar o trauma em solidariedade e criou um app para mulheres que foram vítimas do mesmo crime

Por : Da redação

Uma jovem chinesa que se identifica como ‘Tisífone’, deusa grega da vingança, teve seu vídeo fazendo sexo publicado no site pornô Pornhub sem o seu consentimento.

Após o crime, ela decidiu criar a app Alecto AI (nome da deusa grega da fúria) que permite que as vítimas do mesmo crime possam identificar, eliminar as imagens e tomar os trâmites legais.

“Controlar o dano é particularmente difícil. O conteúdo que infringe a lei está muitas vezes em várias plataformas. É difícil ter que procurar por este conteúdo espalhado na Internet e ser forçado a reviver o trauma uma e outra vez. Nós não nos conseguimos defender a não ser que tenhamos a tecnologia que nos ajude”, explica a jovem chinesa ao The Independent.

+ SEXO

A chinesa ainda revelou que o descobrimento do seu vídeo íntimo foi um trauma que quase a levou a cometer suicídio.

“Foi há mais ou menos sete anos. Eu era muito jovem e não fazia ideia que um monstro me tinha filmado sem eu saber. Depois vi um vídeo no Pornhub. Foi devastador. Pensei mesmo que já não queria viver mais. Senti que todo o mundo me traiu. Sobrevivi, mas por pouco”, conta.

O aplicativo desenvolvido por ela, e uma equipe de especialista, funciona como um software de inteligência artificial e reconhecimento facial. Ele consegue comparar os traços de determinado utilizador com os conteúdos pornográficos colocados na Internet. Segundo a criadora, a aplicação deverá ser lançada até ao final de 2021.

LEIA TAMBÉM