Netflix

Boate Kiss: veja o que é real e o que é ficção na série da Netflix sobre o incêndio em Santa Maria

“Todo Dia a Mesma Noite” conta a história de uma das maiores tragédias do Brasil, o incêndio da Boate Kiss que matou mais de 200 pessoas

Boate Kiss: veja o que é real e o que é ficção na série da Netflix sobre o incêndio em Santa Maria

Chegou ao catálogo da Netflix na semana passada a série “Todo Dia a Mesma Noite”, que relembra um dos episódios mais marcantes do Brasil dos últimos tempos.

No dia 27 de janeiro de 2013, um incêndio na Boate Kiss, na cidade de Santa Maria, no interior do Rio Grande do Sul, deixou 242 pessoas mortas e outras 636 pessoas feridas em uma tragédia que, mesmo depois de uma década, segue sem a responsabilização devida dos acusados pela Justiça Brasileira.

Depois do lançamento da produção, muitas pessoas se perguntam o que é real e o que ficção na série composta por cinco episódios da plataforma de streaming.

O que é real ou ficção na minissérie “Todo Dia a Mesma Noite” da Netflix?

A minissérie da Netflix é baseada no livro “Todo Dia a Mesma Noite: A História não Contada da Boate Kiss” (2018), da jornalista e escritora Daniela Arbex. Portanto, a série pode ser considerada uma ficção baseada em fatos reais.

A história revela os bastidores de uma das maiores tragédias do país, com investigação policial das circunstâncias que levaram ao incêndio na boate Kiss – especialmente pela perspectiva dos pais que perderam seus filhos naquela noite trágica de 27 de janeiro de 2013.

O que mudou

A principal mudança está nos personagens mostrados na minissérie, que não são reais, mas inspirados na história de todos mencionados no livro e que representam as verdadeiras vítimas do incêndio.

Essas histórias (assim como dos sobreviventes) são compiladas pela produção em personagens fictícios para dar uma dimensão mais ampla da tragédia enfrentada por todos.

Outra alteração importante está no nome da banda responsável por começar o incêndio na boate Kiss, que na produção da Netflix foi batizada de “Guapos Baladeiros”, substituindo o nome original de “Gurizada Fandangueira”.

O incêndio

“Todo Dia a Mesma Noite”, da Netflix, revisita a tragédia real envolvendo o incêndio na Boate Kiss. Em 2013, em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, um descuido de segurança acarretou em um terrível incêndio que rapidamente tomou conta de todo o espaço da casa de festas.

Naquele dia, 242 jovens que estavam no local perderam a vida. Partindo do momento do acidente, a trama acompanha as histórias dos impactados por ela em diferentes pontos de vista, como o trabalho das equipes de resgate, as consequências para os sobreviventes e a negligência dos empresários da organização da boate – como a luta das famílias das vítimas, que seguem em busca de justiça até os dias de hoje.

Na trama, as vítimas da tragédia são interpretadas por Paola Antonini, Nicolas Vargas, Manu Morelli, Luan Vieira, Miguel Roncato e Sandro Aliprandini. Os pais são vividos por Debora Lamm, Thelmo Fernandes, Paulo Gorgulho, Bianca Byington, Leonardo Medeiros, Raquel Karro e Bel Kowarick. Erom Cordeiro e Laila Zaid assumem o papel dos policiais responsáveis por investigar o caso, e Flávio Bauraqui aparece como advogado das famílias.

· · ·

+ NETFLIX:

O suspense escondido na Netflix que todo mundo deveria assistir

“Todo dia a Mesma Noite”: com cenas fortes, série relembra o incêndio da Boate Kiss, uma das maiores tragédias do Brasil

· · ·

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos. Seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM