Filmes e Séries

Anna Wintour diz que não se lembra de ex assistente que escreveu ‘O Diabo Veste Prada’

A editora-chefe da Vogue, supostamente sabia que “O Diabo Veste Prada” era sobre ela após uma exibição prévia

Uma nova biografia sobre a editora-chefe da Vogue, Anna Wintour, revela que Wintour disse à então editora assistente, Laurie Jones, que ela não tinha ideia de quem era sua assistente anterior naquele livro “O Diabo Veste Prada”. Foi somente quando o livro foi adaptado para a grande tela e estrelado por Meryl Streep no papel supostamente inspirado em Wintour, que o ícone da Vogue supostamente teria notado.

“Em 21 de maio de 2002, o Women’s Wear Daily informou que ‘O Diabo Veste Prada’ havia sido vendido para a Doubleday por US$ 250.000. Quando Anna soube do livro, ela disse a [editora Laurie] Jones: ‘Não consigo lembrar quem é essa garota’”, escreveu a autora Amy Odell em “Anna: The Biography”, para a Entertainment Weekly, citando a confusão de Wintour com a autora Lauren Weisberger, que anteriormente trabalhou como sua assistente.

· · ·

Se você está gostando deste texto, é provável que também se interesse por:Ator de ‘Jogos Vorazes’ simplesmente odiou seu visual na saga

· · ·

No filme, Maryl Streep passou a retratar Miranda Priestly, uma personagem que a produção manteve como “uma caricatura não direta” de Wintour. Anne Hathaway interpretou o papel de Weisberger, Andrea Sachs. Emily Blunt e Stanley Tucci completaram o agora icônico elenco repleto de estrelas.

Segundo “Anna: The Biography”, Wintour participou de uma exibição privada de “O Diabo Veste Prada” no Paris Theatre em Nova York, antes de sua estreia oficial em 30 de junho de 2006. Wintour usava Prada, e o diretor David Frankel supostamente ouviu a filha de Wintour, Bee, dizer ao titã da Condé Nast que o drama “realmente derrubou” seu personagem.

O editor contribuinte da Vogue, William Norwich, também é citado em “The Biography” que Wintour “realmente não se importava com o livro” e até comentou com amigos que ela estava “tão entediada com tudo aquilo”.

Representantes de Wintour observaram que “Anna: The Biography” foi escrito “sem a participação de Anna e, lamentavelmente, ela não teve a oportunidade de verificar nada nele”.

Meryl Streep disse anteriormente à EW que os maneirismos de Miranda Priestly foram inspirados pelo comando silencioso dos sets do diretor Clint Eastwood.

“Ele é alguém que os caras realmente respeitam, e ele nunca levanta a voz, nunca; a única vez que ele fez isso aterrorizou as pessoas por duas semanas, elas ficaram traumatizadas”, lembrou Streep como parte da história oral do 15º aniversário do filme. “Na escola de teatro [um professor] disse: ‘Como você interpreta um rei não tem nada a ver com você - você é apenas você - é como todos os outros na sala agem quando você entra nela, que faz de você o rei’. para eles terem essa reação. Eu poderia simplesmente falar e ser um pouco mais desagradável do que normalmente sou.”

Streep acrescentou: “Eu não estava interessada em fazer uma cinebiografia de Anna; Eu estava interessado em sua posição em sua empresa. Eu queria assumir os fardos que ela tinha que carregar, além de ter que ficar bonita todos os dias.”

· · ·

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos. Seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM