Notícias

Crise climática pode levar a mais violência contra mulheres, LGBTs e outras minorias, alerta estudo

Fatores como instabilidade social e econômica causada por eventos climáticos extremos impulsionam a violência de gênero

Eventos ambientais extremos provocados pela crise climática levaram a um aumento na quantidade de violência sofrida por mulheres, meninas e minorias sexuais e de gênero, de acordo com um novo estudo.

A pesquisa, publicada na revista The Lancet Planetary Health (em inglês), avaliou a literatura científica existente sobre eventos climáticos extremos e descobriu que a crise climática está gerando instabilidade econômica, insegurança alimentar, estresse mental, além de perturbar a infraestrutura e exacerbar a desigualdade de gênero.

Instabilidade socioeconômica induzida pelas mudanças climáticas, desigualdades estruturais de poder, falta de acesso à assistência médica, escassez de recursos, bem como falhas na segurança e na aplicação da lei e outros fatores, os cientistas dizem que pode haver um aumento da violência baseada em gênero em todo o mundo.

Pesquisadores, incluindo os da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, dizem que tal violência pode levar a consequências de longo prazo, incluindo lesões físicas, gravidez indesejada, exposição ao HIV ou outras infecções sexualmente transmissíveis, problemas de fertilidade, estigma internalizado, problemas de saúde mental e ramificações com consequências para as crianças.

Citando um exemplo, os pesquisadores dizem que após o furacão Katrina, que atingiu a costa do Golfo nos Estados Unidos em 2005, a violência baseada em gênero aumentou, particularmente a violência interpessoal ou a violência entre parceiros íntimos.

· · ·

Se você está gostando deste texto, é provável que também se interesse por:Sua esponja de lavar louças pode ser uma verdadeira vilã, segundo estudo

· · ·

Eles também encontraram uma ligação entre a incidência de inundações e casamentos precoces em Bangladesh, com picos de casamentos precoces observados coincidindo com as enchentes de 1998 e 2004.

Em sua revisão das pesquisas existentes, os cientistas identificaram 41 estudos que exploraram vários tipos de eventos extremos, como tempestades, inundações, secas, ondas de calor e incêndios florestais, juntamente com violência baseada em gênero, como violência e assédio sexual, violência física, assassinato, casamento precoce ou forçado e violência emocional.

Os estudos revisados abrangeram países em seis continentes, com todos, exceto um, focados em mulheres e meninas cisgênero.

Os cientistas descobriram que fatores como choque econômico, instabilidade social, ambientes propícios e estresse causado por eventos climáticos extremos impulsionam a violência de gênero.

Os perpetradores de tal violência baseada em gênero variaram de parceiros e membros da família a líderes religiosos, trabalhadores humanitários e funcionários do governo, de acordo com os estudos revisados.

Embora a relação entre eventos climáticos extremos e violência varie entre os contextos devido a diferenças nas normas sociais, vulnerabilidade, capacidade adaptativa e relatórios disponíveis e mecanismos legais, os cientistas dizem que a experiência de violência baseada em gênero durante e após esses eventos climáticos parece ser compartilhada.

Com base na análise, os pesquisadores afirmam que a ampliação desse tipo de violência não se restringe geograficamente.

“Os eventos extremos não causam violência baseada em gênero, mas exacerbam os condutores da violência ou criam ambientes que permitem esse tipo de comportamento”, disse o coautor do estudo, Kim van Daalen, da Universidade de Cambridge.

Pesquisadores dizem que estruturas sociais e patriarcais sistemáticas que permitem e normalizam essa violência estão na raiz desse comportamento.

“Papéis e normas sociais existentes, combinados com desigualdades que levam à marginalização, discriminação e expropriação, tornam mulheres, meninas e minorias sexuais e de gênero desproporcionalmente vulneráveis aos impactos adversos de eventos extremos”, explicou o Dr. van Daalen em entrevista ao site britânico Independent (em inglês).

O estudo alerta que experimentar essa violência baseada em gênero pode aumentar ainda mais a vulnerabilidade.

Citando um exemplo, os pesquisadores dizem que algumas mulheres ou minorias sexuais e de gênero, ao enfrentar a probabilidade de sofrer assédio em campos de ajuda, podem optar por ficar em casa ou voltar para suas casas antes mesmo de fazê-lo em segurança.

Isso os coloca em perigo adicional de eventos extremos e restringe ainda mais seu acesso já limitado aos recursos de socorro.

Viver em meio a eventos climáticos extremos também pode fazer com que algumas vítimas sintam que não aguentam mais o abuso, ou se sintam menos inibidas em denunciar o abuso do que antes do evento, dizem os cientistas.

A denúncia de violência baseada em gênero também continua a ser atormentada por vários fatores em vários países.

“A gestão de desastres precisa se concentrar na prevenção, mitigação e adaptação aos impulsionadores da violência de gênero. É crucial que seja informado pelas mulheres, meninas e populações minoritárias sexuais e de gênero afetadas e leve em consideração as culturas sexuais e de gênero locais e as normas, tradições e atitudes sociais locais”, disse van Daalen.

Os cientistas pedem que abrigos pós desastres e serviços de socorro, como banheiros e áreas de banho, sejam projetados para serem acessados exclusivamente por mulheres, meninas e minorias sexuais e de gênero.

Eles dizem que equipes de resposta a emergências, especificamente treinadas na prevenção da violência de gênero, podem ser fornecidas.

Os pesquisadores também pedem iniciativas de empoderamento para mulheres e minorias sexuais e de gênero que desafiem as normas de gênero regressivas para reduzir a vulnerabilidade e trazer oportunidades

· · ·

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos. Seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM