Notícias

Reino Unido investiga ligação entre remédio e surto de hepatite em crianças

Casos já foram identificados em mais de 20 países; causas ainda são desconhecidas

Casos de hepatite em crianças no mundo todo tem preocupado autoridades em saúde, que seguem sem conseguir identificar as origens da doença que já foi registrada em mais de 20 países. No Brasil, cerca de 28 casos suspeitos de nova doença são investigados.

As linhas de investigação são variadas e, embora um tipo de adenovírus seja a hipótese mais forte até agora, autoridades de saúde não descartam que o problema possa ter ligação com uso de remédio, como o paracetamol.

· · ·

Se você está gostando deste texto, é provável que também se interesse por:Surto de hepatite misteriosa em crianças preocupa autoridades do mundo todo; veja como se prevenir

· · ·

Essa linha de investigação foi considerada pela Agência de Segurança Sanitária do Reino Unido (UKHSA), já que três quartos das crianças doentes tinham tomado o medicamento. No entanto, apesar de as autoridades de saúde britânicas investigarem essa linha, a UKHSA deixa claro que é apenas mais uma entre tantas outras suspeitas e ainda não há evidências fortes que sustentem qualquer ligação.

A agência também destaca que esta é uma droga de uso muito comum no Reino Unido.

No Brasil

O Ministério da Saúde informou no último dia 11 que está monitorando 28 casos suspeitos de um tipo de hepatite aguda infantil de origem até agora desconhecida. São dois no estado do Espírito Santo, quatro em Minas Gerais, três no Paraná, dois em Pernambuco, sete no Rio de Janeiro, dois em Santa Catarina e oito em São Paulo.

“Os casos seguem em investigação. Os centros de informações estratégicas de Vigilância em Saúde (Cievs) e a Rede Nacional de Vigilância Hospitalar (Renaveh) monitoram qualquer alteração do perfil epidemiológico, bem como casos suspeitos da doença”, disse a pasta em comunicado.

· · ·

Aviso

Este texto é de caráter meramente informativo e não tem a intenção de fornecer diagnósticos nem soluções para problemas médicos ou psicológicos. Em caso de dúvida, consulte um especialista antes de começar qualquer tipo de tratamento.

· · ·

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos. Seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM