Notícias

Mulher chegou a ter dor crônica que a impedia de fazer coisas do dia a dia

Ela buscou novas maneiras de lidar com a questão

Megan Pate, de 29 anos, foi diagnosticada com uma infecção quando teve dores insuportáveis na bexiga trabalhando na enfermaria de um hospital em 2018. Ela sentia como se estivesse fazendo xixi continuamente por dois anos, sofrendo essa infecção crônica da bexiga que faz com que ela rasteje pela casa em agonia. Por conta disso, já gastou 16 mil libras tendo que fazer uma cirurgia a laser para ficar sem dor.

Leia também:

Uma mãe deixou seu trabalho na creche para ganhar até 40 mil libras no OnlyFans

Mesmo com os antibióticos, Megan não conseguia nem se mover em sua casa, e acabou sendo diagnosticada para um urologista que disse que ela tinha a síndrome da bexiga dolorosa, uma condição crônica que traz pressão na bexiga e muita dor, seja pélvica ou local.

Com esse diagnóstico em 2019 e vendo que o tratamento não melhorava, Megan precisou cuidar do problema por si própria e procurou atendimento particular. Com antibióticos a longo prazo e nenhuma melhora, ela decidiu viajar para a Turquia após ver Marnie Simpson, do Geordie Shore, com um cirurgião.

Assim, ela passou por uma cirurgia intensiva que eliminou os problemas da sua bexiga e finalmente recebeu antibióticos para melhorar sua condição. Com isso, teve que gastar 16 mil libras em um tratamento privado, mas agora pode sair de casa e começa a viver a vida normalmente após lutar por quatro anos com essa questão.

“Eu não posso nem dividir uma cama ou sofá com meu parceiro, Jonny, 29, porque eu posso sentir a menor mudança na minha bexiga. Nós não poderíamos fazer sexo e mesmo agora eu estou muito cautelosa no caso de causar infecção. Demorou tanto tempo para chegar a este ponto, mas estou ansiosa para ter minha vida de volta.”, conta Megan.

· · ·

Aviso

Este texto é de caráter meramente informativo e não tem a intenção de fornecer diagnósticos nem soluções para problemas médicos ou psicológicos. Em caso de dúvida, consulte um especialista antes de começar qualquer tipo de tratamento.

· · ·

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos. Seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM