Notícias

Google Assistente adota política de combate ao assédio e à violência de gênero

A exemplo do que acontece em outros países sempre que o usuário fizer perguntas agressivas ou usando termos ofensivos, o aparelho responderá à altura

Não é de hoje que vemos empresas adotando políticas de combate ao assédio em seus programas de assistência virtual. Grandes nomes como Bradesco e Magazine Luiza, já disponibilizam método de respostas para ataques em suas plataformas.

Agora, o Google adotou também, no Brasil, uma política de combate ao assédio e à violência de gênero em sua ferramenta de assistência pessoal virtual, o Google Assistente. A exemplo do que acontece em outros países sempre que o usuário fizer perguntas agressivas ou usando termos ofensivos, o aparelho responderá à altura.

Dependendo do grau de ofensividade, a resposta poderá ser bem-humorada, instrutiva ou peremptória. “O respeito é fundamental em todas as relações, inclusive na nossa” e “Não fale assim comigo” são dois exemplos que poderão ser mais ouvidos. A frase usada anteriormente, “Desculpe, não entendi o que disse”, será ouvida em diferentes contextos.

· · ·

Se você está gostando deste texto, é provável que também se interesse por:Dia das Mães: 5 coisas que você deveria saber sobre a maternidade

· · ·

De acordo com informações divulgadas pela Revista Veja, cerca de 2% das perguntas de caráter pessoal feitas ao Google Assistente são mensagens que utilizam termos abusivos ou inapropriados, segundo a própria empresa.

Um a cada seis insultos são direcionados às mulheres, seja por expressões de misoginia ou de assédio sexual. Na voz vermelha, com tom feminino, comentários ou perguntas sobre a aparência física são mais comuns. A voz laranja, de tom masculino recebe um grande número de comentários homofóbicos – quase uma a cada dez ofensas registradas.

· · ·

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos. Seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM