Notícias

Jovem tatua bilhete que pai a deixou pouco antes de morrer

A moradora de Santos (SP), quis prestar uma homenagem ao pai que faleceu de covid-19 na semana passada

Uma jovem de 24 anos e moradora de Santos, no litoral paulista, prestou uma homenagem ao pai, que faleceu na semana passada vítima de complicações causadas pela covid-19.

De acordo com o portal G1, a jovem veterinária que preferiu não se identificar, eternizou em sua pele um bilhete deixado por seu pai antes de morrer, um girassol e uma frase em inglês escrita por sua mãe. Ela relatou que o pai adquiriu a doença em outubro do ano passado, e desde então, passou a sofrer com sequelas.

Leia mais: Mãe recebe bilhete a xingando por estacionar em vaga especial para pessoas com filhos

“Eu decidi tatuar esse bilhete na última segunda-feira, mas eu já ia fazer algumas outras tatuagens que representam o que eu e a minha mãe passamos com ele”, explicou a jovem ao site. Uma delas é o bilhete que o pai a deixou como presente: “Meu sangue B, sempre estarei com você, tenho muito orgulho de você, te amo”, dizia o bilhete.

A veterinária fez ainda mais duas tatuagens em homenagem ao pai. A segunda foi a imagem de um girassol. “É a tatuagem que mais me toca, o girassol marca muito minha história com ele, e foi a flor que estava no caixão quando ele foi cremado”, explicou.

A última tatuagem foi uma frase que representa os dois meses em que ela e sua mãe estiveram juntas enquanto o pai estava internado. A frase “By your side until your last heartbeat”, que significa “Ao seu lado até seu último batimento cardíaco”, escrita em suas costelas, na letra cursiva de sua mãe. “Ele não está mais presente, mas são formas de me lembrar dele”, afirma a jovem.

Leia mais: Ela foi ao hospital por causa de uma dor na barriga e voltou para casa com um bebê

“Antes, as orações eram por cura, mas como o sofrimento foi aumentando, chegou um momento em que as orações se tornaram por misericórdia”. Segundo a veterinária, os últimos dias do pai foram muito difíceis. Nos últimos quatro dias, foi preciso que não saíssem de perto do seu leito no hospital. “Ele teve falência múltipla de órgãos, e vimos os batimentos cardíacos dele caindo. Nós lutamos muito, mas a hora dele chegou”.

⋅ ⋅ ⋅

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos. Seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM