logo
Notícias 09/06/2021

Onde será a próxima pandemia? Estudo sugere que morcegos têm a resposta

A proximidade dos ecossistemas só vai tornar mais comum o contágio entre o animal e o ser humano

Por : Redação

O mundo científico espera o nascimento de um novo patógeno.

E, para descobrir como o comportamento humano afeta os vírus, um grupo de cientistas observou a influência da expansão da pecuária e do desmatamento na origem de novas pandemias.

Conclusão: estas são as duas as principais causas.


Leia também

Se você está gostando deste conteúdo, é provável que também se interesse pela mais recente publicação da NOVA MULHER:


A pecuária

A produção de animais para consumo humano acumula um grande número de bichos, geralmente imunossuprimidos, em superlotação e com baixa diversidade genética — condições ideais para a propagação de um vírus.

Na verdade, a avicultura na China localizada em setores com populações de morcegos seria a principal condição que permitiu os últimos surtos.

Os morcegos

Os morcegos, junto com outras espécies silvestres, são portadores de vírus como o SARS e, quando o desmatamento avança, esses animais se instalam em outros setores.

Na verdade, muitos deles já fizeram das áreas urbanas ou agrícolas a sua casa preferida em vez de setores isolados.

A proximidade e a união dos ecossistemas só vão tornar mais comum o contágio entre o animal e o ser humano.

A próxima pandemia

De acordo com o estudo publicado na revista Nature, a China não seria o único país que reúne essas condições que o tornam mais sujeito a infecções.

Se as coisas continuarem iguais, a próxima pandemia pode começar na França e no Reino Unido.


⚠️ Atenção: este texto é de caráter meramente informativo e não tem a intenção de fornecer diagnósticos nem soluções para problemas médicos. Em caso de dúvida, consulte um especialista antes de começar um tratamento.


Leia também


Apoie

Compartilhe os textos da NOVA MULHER com os seus amigos através das redes sociais e dos aplicativos de mensagem. O seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de jornalistas e redatores.


Siga-nos

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook. Além disso, fazemos parte do Google Notícias: