logo
Notícias 30/05/2021

Trabalhar mais de 55 horas por semana aumenta risco de morte, segundo OMS

A larga jornada está associada a um aumento de 35% no risco de acidente vascular cerebral (AVC)

Por : Redação

Trabalhar mais de 55 horas por semana aumenta o risco de morte por derrame e doenças cardíacas, segundo estudo publicado nessa semana pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pela Organização Internacional do Trabalho (OIT).

A análise global foi publicada quando a pandemia do novo coronavírus aumentou a tendência de estar conectados mais horas. Porém, refere-se aos anos anteriores.


Leia também

Se você está gostando deste conteúdo, é provável que também se interesse pela nossa publicação mais recente:


O estudo

De acordo com a pesquisa, a larga jornada de trabalho está associada a um aumento de 35% no risco de acidente vascular cerebral (AVC) e um aumento de 17% no risco de morrer de doença isquêmica do coração, em comparação com uma pessoa que trabalha entre 35 e 40 por semana horas.

A OMS e a OIT estimam que 398 mil pessoas morreram de derrame e 347 mil de doenças cardíacas em 2016, depois de trabalharem pelo menos 55 horas por semana.

Entre 2000 e 2016, o número de mortes por doenças cardíacas relacionadas a longas jornadas de trabalho aumentou 42%, número que sobe para 19% no caso de acidentes vasculares cerebrais.

“É hora de todos nós — governos, empregadores e trabalhadores — finalmente reconhecermos que longas horas de trabalho podem causar mortes prematuras”, disse María Neira, diretora de Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Saúde da OMS.

O trabalho no confinamento

A OMS se preocupou com o aumento do número de pessoas que trabalham longas horas, que atualmente representa 9% da população mundial. E a pandemia não deve fazer muito para reverter a tendência. Pelo contrário.

“O teletrabalho se tornou a norma para muitas atividades, muitas vezes confundindo as fronteiras entre casa e trabalho”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Ele advertiu que “nenhum trabalho vale o risco de derrame ou doença cardíaca” e recomendou a organização de períodos de descanso.


⚠️ Atenção: este texto é de caráter meramente informativo e não tem a intenção de fornecer diagnósticos nem soluções para problemas médicos. Em caso de dúvida, consulte um especialista antes de começar qualquer tipo de tratamento.


Leia também


Apoie

Compartilhe os textos da NOVA MULHER com os seus amigos através das redes sociais e dos aplicativos de mensagem. O seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores.


Siga-nos

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook. Além disso, fazemos parte do Google Notícias: