logo
/ Ísis Capistrano/UOL
Notícias 26/04/2021

The Good Doctor Brasileira: médica autista é diretora de hospital de campanha

A médica virou destaque na mídia internacional e foi chamada de The Good Doctor Brasileira. Ela é autista e atua como diretora do hospital de campanha em Porto Velho (RO)

Por : Da redação

Larissa Rodrigues Assunção, de 26 anos, é uma médica autista que atua como diretora do hospital de campanha em Porto Velho (RO). Com uma carga horária de 80 horas, ela além de gerenciar o hospital também atende os pacientes.

A médica foi diagnosticada com autismo ainda na infância. Na época sofreu bullying por não gostar de contato físico e ter dificuldade para se relacionar. Por conta disso, teve que trocar muito de escola, mas nunca deixou de ser uma criança excepcional.

Segundo o TAB, do UOL, Larissa entrou na faculdade de ciências sociais da UFU (Universidade Federal de Uberlândia) com apenas 14 anos. Em seguida, decidiu mudar e passou em em medicina na Unifimca (Centro Universitário Aparício de Carvalho).

E não para por aí. Ela fez pós-graduação em neurociências pela Universidade Duke, nos EUA. Atualmente, está terminando duas especializações: neuroimagem pela Universidade Johns Hopkins (EUA) e psiquiatria pela PUC-RS (Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul).

+ NEWS

“Decidi fazer medicina em Rondônia pois tenho paixão pela Amazônia, pela parte antropologicamente rica de uma cultura tão particular. Aproveitei que tenho uma tia médica aqui, e de súbito, em 2 meses estudei um pouco e ingressei”, conta ao TAB.

A médica ainda relatou que estudou 8 horas por dia para entrar na residência na área de neuropsiquiatria. Ela passou nas áreas de neurologia, neurocirurgia e psiquiatria, mas decidiu ficar na linha de frente do combate ao covid-19.

“A pandemia me transformou. Sempre fui empática em acolher e ajudar, mas a vivência atual modificou a forma como enxergo o mundo e as minhas reais necessidades. Não tive outra escolha a não ser ficar e trabalhar. Meu trabalho também é fonte de sustento à minha família. Ajudo meu irmão, que também estuda medicina”, explica a médica.

LEIA TAMBÉM

Apoie
Compartilhe os nossos textos com os seus amigos. O seu apoio ajuda a manter a NOVA MULHER como um site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o nosso trabalho.

Siga-nos
Gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para ter acesso a mais novidades: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Nós também participamos do Google Notícias: