Notícias

Empreendedoras precisaram criam um sócio de mentira para enfrentar o machismo e abrir empresa

As mulheres que decidem empreender precisam, além de lidar com as dificuldades normais do empreendedorismo, acabam lidando também com o machismo. A histórias destas duas norte-americanas mostra que ser mulher empreendedora pode não ser nada simples

Empreendedoras

Kate Dwyer e Penelope Gazin são duas norte-americanas que decidiram abrir uma empresa. A ideia era criar a Witchsy, marketplace que reunisse produtos de arte e design de diversos artistas. Só que para o desenvolvimento da plataforma elas tiveram que lidar com ele, sim o machismo.

“Assim que estávamos começando o negócio, imediatamente ouvíamos coisas como ‘vocês tem certeza? Isso é uma boa ideia?’ Eu acho que, porque nós somos mulheres jovens, muitas pessoas enxergavam o que a gente queria fazer como ‘ah, que hobbie fofo!’ ou ‘que ideia adorável’”, afirmou Kate.

Segundo informações da revista PEGN, o primeiro caso de machismo ocorreu quando elas contrataram um desenvolvedor de plataforma. Ele ficou “frustrado” porque Penelope não quis sair com ele e ameaçou deletar todo o desenvolvimento da plataforma.  

+ NEWS

  1. Mulher de 80 anos se agarra até desmaiar a uma árvore para evitar que ela seja cortada
  2. Pai trans realiza sonho de trazer sua filha ao mundo: “Eu quero ser o pai que nunca tive”

Além disso, as empreendedoras revelaram que este não foi o único caso. Ao fazer seleção para desenvolvedores externos e designers gráficos, elas identificavam que todos os homens as tratavam com arrogância, superioridade e desrespeito.

A partir disso, elas decidiram criar um sócio de mentira. Keith Mann, o sócio fictício, falava com todos os desenvolvedores e as coisas mudaram de uma hora para outra.

“Foi instantâneo. Os desenvolvedores demoravam dias para me responder, mas, para Mann, vinham respostas, atualizações de status e até solicitações se ele queria alguma coisa ou havia algo com o que ele precisasse de ajuda”, diz Kate.

“Acredito que nós poderíamos ter ficado muito chocadas com esse fato. ‘Sério, as pessoas irão falar com mais respeito com esse homem imaginário do que com nós mesmas?’ Mas, sabe, isso é só uma demonstração do mundo no qual estamos inseridos agora”, finaliza Kate.

LEIA TAMBÉM

Apoie
Compartilhe os nossos textos com os seus amigos. O seu apoio ajuda a manter a NOVA MULHER como um site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o nosso trabalho.

Siga-nos
Gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para ter acesso a mais novidades: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Nós também participamos do Google Notícias:

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM