logo
/ Crédito: Nueva Mujer
Notícias 21/02/2021

Mulher doa mais de 234 litros de leite materno para ajudar mães que não podem amamentar

A mulher teve problemas de amamentação na primeira gravidez, então ela queria ajudar aquelas que estavam passando pelo mesmo

Katy Bannerman sofreu problemas para amamentar durante a primeira gravidez, por isso, quando engravidou pela segunda vez, decidiu procurar ajuda e recebeu instruções de um consultor particular de amamentação.

Bannerman confessou que com seu primeiro filho ela só conseguiu amamentar por dois meses. “Não consegui amamentar da maneira que queria e isso me afetou terrivelmente.”

Isso a ajudou muito e, quando ela teve seu segundo filho, ela começou a produzir mais leite do que seu filho precisava, pois ela tirava mais de 2 litros por dia.

Por isso, decidiu doar o excedente para mães que, como ela na primeira gravidez, tiveram problemas para amamentar.

A mulher que mora na Carolina do Norte não sabia o que fazer com o leite excedente que estava produzindo, até que ela foi a grupos locais no Facebook onde as mulheres falaram sobre amamentação e houve alguns pedidos de leite materno.

Então ele decidiu doar mais de 234 litros para mulheres que precisavam de seus bebês. “Esse era o tipo de pessoa que queria que eu recebesse. Alguém que teve problemas para amamentar por um motivo ou outro. Fiquei muito feliz em doar. A certa altura, ele tinha pessoas constantes para quem fazia doações, que vinham todas as semanas “, disse Bannerman à CNN .

Das mulheres que receberam doação de leite materno de Bannerman, havia uma que tinha adotado recentemente um bebê e precisava do leite, e outra com um bebê raquítico que precisava aumentar o consumo desse tipo de leite.

“Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças estimam que 60% das mães param de amamentar mais cedo do que desejam. Alguns dos fatores que citam são problemas de amamentação, falta de apoio familiar e preocupações com o peso e a nutrição de seus bebês. A Academia Americana de Pediatria também recomenda que os bebês sejam amamentados exclusivamente durante os primeiros seis meses. No entanto, isso acontece apenas cerca de 25% das vezes ”, relata a CNN.

A mulher convidou as mães que sofrem com a amamentação como ela sofreu na primeira gravidez, a buscar ajuda e encontrar os recursos disponíveis que existem, pois suas vidas podem melhorar incrivelmente tanto para elas quanto para seus bebês.

“Esse é outro motivo pelo qual a doação era tão importante para mim, que as mulheres podiam cuidar de si mesmas e de seus bebês sem culpa”, disse Bannerman, que no final do ano passado domesticou o último suprimento de leite.

LEIA TAMBÉM