logo
Saúde e Bem-estar 23/05/2021

Você não vai muito ao banheiro? Os perigos da prisão de ventre para sua saúde

As pessoas que sofrem com isso não vão ao banheiro mais do que três vezes por semana

Por : Redação

A prisão de ventre é um problema comum — tanto que não é difícil encontrar dicas e suplementos para lidar com essa condição incômoda.

Porém, quando a prisão de ventre é crônica, a história é outra. As pessoas que sofrem com isso não vão ao banheiro mais do que três vezes por semana. E, quando o fazem, é com muita dificuldade.

Saiba mais sobre as complicações desagradáveis.


Leia também

Se você está gostando deste conteúdo, é provável que também se interesse pela nossa publicação mais recente:


Hemorróidas

Quando você tem muita dificuldade para ir ao banheiro e passa muito tempo sentado no banheiro, as veias do ânus podem inflamar.

Geralmente, as hemorróidas causam coceira, inchaço e podem até sangrar.

Para tratá-las, usam-se cremes, supositórios e anti-inflamatórios, mas a melhor recomendação é tratar a prisão de ventre para que não reapareçam.

Fissura anal

Isso ocorre quando o tecido do ânus se rompe enquanto você tenta ir ao banheiro.

Ela pode causar uma fissura visível ou apenas um pequeno inchaço na pele, mas se caracterizam por causar sangramento durante as evacuações.

Existem tratamentos tópicos e injetáveis ​​para esses problemas, mas o mais importante é tratar, porque pode se transformar em uma fissura crônica, o que pode levar à cirurgia.

Prolapso anal

Essa é uma possibilidade de longo prazo para quem tem prisão de ventre.

Um prolapso anal ocorre quando uma porcentagem do intestino grosso sai de sua posição original e pode até se projetar para fora do ânus.

Retenção fecal

Quando você deixa de ir ao banheiro há muito tempo, acontece que as fezes ressecam no intestino e fica quase impossível eliminá-las.

Na maioria desses casos, você deve recorrer a medidas extremas, como um enema, extrações manuais ou irrigação de fluidos no intestino.


⚠️ Atenção: este texto é de caráter meramente informativo e não tem a intenção de fornecer diagnósticos nem soluções para problemas médicos. Em caso de dúvida, consulte um especialista antes de começar qualquer tipo de tratamento.


Leia também


Apoie

Compartilhe os textos da NOVA MULHER com os seus amigos através das redes sociais e dos aplicativos de mensagem. O seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores.


Siga-nos

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook. Além disso, fazemos parte do Google Notícias: