logo
Saúde e Bem-estar 18/07/2021

HPV e câncer cervical: conheça suas principais diferenças

De acordo com a Organização da Saúde (OMS), a maioria das pessoas sexualmente ativas vai contrair o vírus do HPV em algum momento da vida

Por : Redação

Tanto o vírus do papiloma humano (HPV) quanto o câncer do colo do útero, ou câncer cervical, são doenças que frequentemente afetam as mulheres e devem ser tratadas imediatamente. Por isso, é preciso aprender a diferenciá-los.

Segundo o portal Meganoticias (em espanhol), o HPV causa a infecção sexualmente transmissível mais comum. E, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a maioria das pessoas sexualmente ativas vai contrair o vírus em algum momento da vida.

Essa patologia geralmente não causa grandes problemas se for tratada prontamente, mas há um percentual de infecções que podem se manter e levar ao câncer cervical.

O HPV e o câncer cervical

Esse tipo de câncer tende a ser decorrente de um caso de HPV, quando o sistema imunológico não consegue combater a infecção. Mas, para o Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos (em espanhol), ele não é o único diagnóstico relacionado ao grupo de mais de 200 vírus. Também estão ligados a essa condição:

  • câncer de orofaringe;
  • câncer de pênis;
  • câncer de vagina;
  • câncer de vulva;
  • câncer de ânus;

Os papilomavírus humanos podem ser:

  • não oncogênicos: quando produzem verrugas; e
  • oncogênicos: quando produzem um tumor maligno, que pode resultar em câncer.

Os casos de alto risco desencadeiam cerca de 5% de todos os pacientes com câncer no mundo, o que se traduz em cerca de 570 mil mulheres e 60 mil homens doentes.


Leia também

Se você está gostando deste conteúdo, é provável que também se interesse pela nossa publicação mais recente:


O diagnóstico

O diagnóstico será fundamental na forma de lidar com essas lesões, que em ambos os casos não costumam apresentar sintomas.

Pacientes com tecido canceroso no colo do útero podem apresentar sangramento vaginal e dor pélvica.

A prevenção e o controle

As vacinas são uma das principais formas de prevenção de qualquer tipo de HPV. Isso evita que patologias mais agressivas se instalem, como pré-cânceres, câncer cervical ou a persistência de verrugas genitais.

Da mesma forma, o câncer cervical é prevenido ou detectado precocemente com controles médicos. Os testes de HPV e Papanicolau detectam alterações celulares e aceleram o tratamento, se necessário.

Caso o profissional de saúde encontre irregularidades nos resultados desses exames, sugere-se fazer um acompanhamento.

Como a base é uma doença sexualmente transmissível, recomenda-se a prática do sexo seguro. Contudo, preservativos e barreiras dentais não evitam completamente o risco de transmissão do HPV, embora diminuam as chances.


⚠️ Atenção: este texto é de caráter meramente informativo e não tem a intenção de fornecer diagnósticos nem soluções para problemas médicos. Em caso de dúvida, consulte um especialista antes de começar qualquer tipo de tratamento.


Leia também


Apoie

Compartilhe os textos da NOVA MULHER com os seus amigos através das redes sociais e dos aplicativos de mensagem. O seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores.


Siga-nos

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook. Além disso, fazemos parte do Google Notícias: