logo
Saúde e Bem-estar 11/07/2021

Estudo sugere que pandemia melhorou os hábitos de sono

Quarentena fez com que as pessoas seguissem o seu ritmo circadiano, que regula o sono e a vigília

Por : Redação

Estudo realizado pela Universidade do Colorado em Boulder, nos Estados Unidos, e publicado pela revista científica Current Biology (em inglês) sugere que os hábitos de sono podem ter melhorado em decorrência das condições impostas pela pandemia do novo coronavírus.

De acordo com o portal Meganoticias (em espanhol), a pesquisa constatou que os estudantes dormiam, em média, 30 minutos a mais do que antes.

Além disso, uma investigação (em inglês) disponível na Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos, concluiu que cidadãos da Suíça, Áustria e Alemanha passaram a dormir mais — no entanto, a qualidade do sono caiu.

Os horários e as atividades

Estudos sugerem que a pandemia teve efeitos positivos sobre os hábitos de sono. Segundo a revista Wired (em inglês), o ritmo desacelerado da quarentena fez com que as pessoas seguissem o seu ritmo circadiano, que regula o sono e a vigília, e que pode ser precoce ou tardio.


Leia também

Se você está gostando deste conteúdo, é provável que também se interesse pela nossa publicação mais recente:


Precoce

O tipo precoce inclui aquelas pessoas obcecadas em se levantar logo pela manhã, com o sol, e ir para a cama cedo.

Tardio

Já o tardio é aquele em que as pessoas ficam acordadas até tarde da noite e se levantam mais tarde do que de costume.

Como aproveitar

É sugerido programar a jornada de trabalho para ter melhor desempenho e buscar as melhores condições externas para os horários de descanso.


⚠️ Atenção: este texto é de caráter meramente informativo e não tem a intenção de fornecer diagnósticos nem soluções para problemas médicos. Em caso de dúvida, consulte um especialista antes de começar qualquer tipo de tratamento.


Leia também


Apoie

Compartilhe os textos da NOVA MULHER com os seus amigos através das redes sociais e dos aplicativos de mensagem. O seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores.


Siga-nos

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook. Além disso, fazemos parte do Google Notícias: