logo
Saúde e Bem-estar 03/06/2021

Estes são os sintomas da gripe aviária; nova variante na China causa preocupação

Embora a gripe aviária seja rara em pessoas, o novo caso mostra que a humanidade ainda é suscetível ao vírus

Por : Redação

Embora as infecções de gripe aviária em humanos sejam raras, o novo caso detectado na China mostra que a humanidade ainda é suscetível ao vírus, o qual apresenta sintomas particulares.

Em 28 de abril de 2021, um homem de 41 anos deu entrada em um hospital na cidade de Zhejiang, e um mês depois foi diagnosticado com H10N3.


Leia também

Se você está gostando deste conteúdo, é provável que também se interesse pela mais recente publicação da NOVA MULHER:


Os sintomas da gripe aviária

De acordo com registros, a infecção acontece por meio do contato com fezes e secreções nasais do bico ou dos olhos de aves infectadas.

Os sintomas são muito semelhantes aos do novo coronavírus, segundo especialistas da Mayo Clinic (em espanhol):

  • febre superior a 38 graus;
  • diarreia;
  • dificuldade respiratória;
  • dor de cabeça;
  • dores musculares;
  • dor de garganta; e
  • secreção nasal.

Os novos vírus

Os especialistas esclarecem que comer aves ou ovos infectados devidamente cozidos não transmite a gripe aviária. É considerado seguro se cozido a uma temperatura mínima de 73,9 graus.

São muitas as variantes que causam a infecção, como o H7N9, que de 2016 a 2017 causou a morte de 300 pessoas. Há também o H5N8, que matou centenas de milhares de aves na Europa, como informa o portal de notícias BBC (em espanhol).

O primeiro registro de gripe aviária foi o H5N1 aconteceu em 1997, em Hong Kong. No caso atual da China, as autoridades estão investigando como o paciente contraiu a doença.


⚠️ Atenção: este texto é de caráter meramente informativo e não tem a intenção de fornecer diagnósticos nem soluções para problemas médicos. Em caso de dúvida, consulte um especialista antes de começar um tratamento.


Leia também


Apoie

Compartilhe os textos da NOVA MULHER com os seus amigos através das redes sociais e dos aplicativos de mensagem. O seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de jornalistas e redatores.


Siga-nos

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook. Além disso, fazemos parte do Google Notícias: