logo
Saúde e Bem-estar 06/06/2021

Covid-19: as 6 sequelas mais comuns em pessoas que já foram infectadas

Muitos dos pacientes que apresentaram sintomas graves podem ficar com sequelas nos sistemas endócrino, psicológico, dermatológico e cardiovascular

Por : Redação

Mais de 130 milhões de pessoas se recuperaram do coronavírus, e nelas se concentram estudos que buscam determinar quais sequelas podem permanecer após a infecção pelo SARS-CoV-2.

Até o momento, sabe-se que muitos dos pacientes que apresentaram sintomas graves podem ficar com sequelas nos sistemas endócrino, psicológico, dermatológico e cardiovascular. Além, é claro, de complicações nos rins e pulmões.

Pesquisas da China, Europa e Estados Unidos se encarregaram de apurar as consequências e os danos persistentes e já sabem, com certo grau de segurança, quais são os mais regulares.

Saiba mais:


Leia também

Se você está gostando deste conteúdo, é provável que também se interesse pela mais recente publicação da NOVA MULHER:


Dispneia

A dispneia ou falta de ar é uma das mais recorrentes e persistentes. Estima-se que entre 42% e 66% dos pacientes a apresentem após 100 dias.

Este é um dos sintomas mais esperados, uma vez que em outras cepas de SARS e em infecções por MERS, os mesmos problemas de ventilação puderam ser identificados e medidos.

Dor no peito

Estima-se que cerca de 20% dos sobreviventes continuem com desconfortos por até 6 meses após sofrerem os quadros agudos da doença.

Além disso, foi observado um aumento nas cardiomiopatias de estresse. Por isso, estima-se que muitas dessas pessoas devam continuar sendo avaliadas com eletrocardiogramas.

Perda de cabelo

Essa é a principal manifestação das consequências dermatológicas que a doença pode ter no organismo.

Em alguns casos está associada ao eflúvio telógeno, alteração no crescimento do cabelo e considerada um tipo de alopecia, mas mesmo assim não há clareza sobre sua origem.

Tosse

Tosses persistentes são raras, mas não impossíveis de encontrar. Segundo a revista Nature, há pouco mais de 15% dos casos com esse sintoma recorrente.

Fadiga

A fadiga foi constatada de forma consistente em acompanhamentos de pacientes, incluindo certos estudos que descobriram que mais da metade dos sujeitos sofria de fadiga e dores musculares mesmo 100 dias após serem admitidos em uma unidade de tratamento da Covid.

Problemas psicológicos

Depressão, ansiedade e estresse pós-traumático são algumas das consequências sofridas pelos pacientes mais graves. De um grupo de 402 pacientes, 56% deles desenvolveram uma dessas complicações.


⚠️ Atenção: este texto é de caráter meramente informativo e não tem a intenção de fornecer diagnósticos nem soluções para problemas médicos. Em caso de dúvida, consulte um especialista antes de começar um tratamento.


Leia também


Apoie

Compartilhe os textos da NOVA MULHER com os seus amigos através das redes sociais e dos aplicativos de mensagem. O seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de jornalistas e redatores.


Siga-nos

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook. Além disso, fazemos parte do Google Notícias: