Saúde e Bem-estar

Contra a menopausa e a depressão: os benefícios da semente de erva-doce

Além de ser um aromatizante amplamente usado na gastronomia, a erva-doce também é conhecida pelas suas propriedades curativas

De acordo com o portal Meganoticias (em espanhol), a erva-doce é uma especiaria que contém micronutrientes como ferro e manganês, ambos essenciais para o corpo. 

E, além de ser um aromatizante amplamente usado na gastronomia, ela também é conhecida pelas suas propriedades curativas. Saiba mais:

Ajuda a lidar com a depressão  

Ele não deve ser usado como tratamento, já que um estudo (em inglês) mostrou que a erva-doce tem propriedades eficazes em ratos.

Em outra pesquisa (em inglês), foi demonstrado que 200 miligramas de óleo de erva-doce podem reduzir os sintomas de depressão moderada em 3 vezes.

Previne fungos e bactérias

De acordo com alguns estudos em tubos de ensaio, a semente teria propriedades antibacterianas poderosas que impediriam o crescimento de microorganismos. 


Leia também

Se você está gostando deste conteúdo, é provável que também se interesse pela nossa publicação mais recente:

  1. 2 filmes da Netflix que demonstram o perigo de um relacionamento tóxico

Protege o estômago

Pesquisas (em inglês) realizadas em animais demonstraram que a semente é capaz de reduzir a secreção de ácidos estomacais, o que pode prevenir a formação de úlceras. 

Controla sintomas da menopausa

Segundo estudo (em inglês) realizado com 72 mulheres, um comprimido com 330 miligramas de erva-doce, consumido 3 vezes ao dia, pode reduzir em 75% a gravidade e a frequência das ondas de calor, um dos sintomas definidores do climatério.

Além disso, em ratos (em inglês), preveniu a perda de densidade óssea, outro dos efeitos colaterais da menopausa.

Equilibra os níveis de açúcar

A erva-doce tem potencial para ajudar as pessoas com diabetes, já que cientistas descobriram (em inglês) que ela melhora a produção de insulina e reduz a quantidade de açúcar na corrente sanguínea de ratos.

No entanto, são necessários mais estudos em humanos.


⚠️ Atenção: este texto é de caráter meramente informativo e não tem a intenção de fornecer diagnósticos nem soluções para problemas médicos ou psicológicos. Em caso de dúvida, consulte um especialista antes de começar qualquer tipo de tratamento.


Leia também

  1. 2 filmes da Netflix que demonstram o perigo de um relacionamento tóxico
  2. Manchas na pele: acabe com o problema com esta máscara caseira de limão e óleo de coco
  3. ‘Virgin River’: Netflix renova série de sucesso; programa terá 4ª e 5ª temporadas

Apoie

Compartilhe os textos da NOVA MULHER com os seus amigos através das redes sociais e dos aplicativos de mensagem. O seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores.


Siga-nos

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook. Além disso, fazemos parte do Google Notícias:

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM