Estilo de Vida

“As crianças não nascidas já são crianças”: Decisão polêmica sobre Fertilização In Vitro que preocupa casais com problemas de fertilidade

Celine Dion, Kim Kardashian, Emma Thompson são algumas das famosas que, após várias tentativas fracassadas, conseguiram ter filhos através de FIV

“Los niños no nacidos ya son niños”: Polémico fallo sobre Fertilización In Vitro que alarma a parejas con problemas de fertilidad

São muitas as celebridades que recorreram à Fertilização In Vitro (FIV) para se tornarem mães. Mesmo sendo um assunto falado em voz baixa, algumas levantaram a voz, como foi o caso da ex-primeira-dama dos Estados Unidos, Michelle Obama, que, após um aborto, decidiu ter suas filhas por esse método.

A Fertilização In Vitro é um processo no qual os óvulos são extraídos dos ovários, fertilizados com espermatozoides em laboratório e depois um embrião é transferido para o útero para a implantação.

A cantora Celine Dion, que atualmente está passando por uma doença difícil, também teve seus 3 filhos através de fertilização in vitro, o primeiro foi há 18 anos, e 10 anos depois deu à luz gêmeos.

Recomendados

A atriz Emma Thompson teve sua filha Gaia por fertilização in vitro após várias tentativas frustradas de engravidar. Kim Kardashian, depois de um primeiro parto complicado de sua filha North, acabou por se submeter a um tratamento de FIV para ter seu filho Saint.

Um erro que coloca em risco casais e médicos

Mas a Suprema Corte do Alabama decidiu que embriões congelados podem ser considerados crianças, de acordo com a legislação estadual. Essa decisão foi tomada após um processo por homicídio culposo de três casais cujo embriões foram destruídos em um acidente em uma clínica de fertilidade.

A agência AP relata que os juízes, ao citarem uma disposição antiabortista da Constituição do Alabama, decidiram que uma lei estadual de 1872 que permite aos pais processar pela morte de um filho menor de idade, “se aplica a todas as crianças não nascidas, independentemente de sua localização”.

O juiz Jay Mitchell escreveu na decisão do tribunal composto totalmente por republicanos: “Os bebês não nascidos são bebês, sem exceções com base na fase de desenvolvimento, localização física ou qualquer outra característica complementar”.

Quais são as implicações do parecer

Atualmente, as pessoas que têm embriões excedentes da FIV têm a opção de escolher o que fazer com eles: congelá-los para mais ciclos ou futuras tentativas de gravidez, doá-los para outras pessoas que desejam conceber, destiná-los à pesquisa ou descartá-los.

No entanto, se, como determinado pelo Supremo Tribunal do Alabama, os embriões são considerados "crianças", isso significaria que qualquer embrião destruído ou descartado no processo de FIV ou após poderia ser alvo de ações por homicídio culposo.

De acordo com o portal Wired, a decisão cria uma responsabilidade potencialmente paralisante para as clínicas que realizam o procedimento e os pacientes que recorrem a elas.

Destaca que os médicos talvez optem por tentar gerar embriões um a um para evitar a responsabilidade que vem com a produção de mais, ou talvez desistam completamente da FIV para evitar a obrigação de lidar quando os embriões não sobreviverem ao processo.

O caso que levou à decisão

No caso do Alabama, um paciente do hospital entrou em um armazém que não estava trancado, pegou alguns embriões congelados que estavam armazenados a temperaturas abaixo de zero e, ao sofrer uma queimadura de gelo, deixou-os cair, destruindo-os.

Os pacientes afetados pela FIV entraram com ações por homicídio culposo contra a clínica de acordo com a Lei estadual de Homicídio Culposo de Menor.

O caso foi inicialmente rejeitado por um tribunal de primeira instância, que decidiu que os embriões não se encaixavam na definição de “menor”. No entanto, o Supremo Tribunal de Alabama determinou que “se aplica a todas as crianças, nascidas e não nascidas, sem limitações”.

Numa opinião concorrente, o presidente do Supremo Tribunal, Tom Parker, fez referência às suas crenças religiosas e citou a Bíblia para apoiar a sua posição.

“Não se pode destruir injustamente a vida humana sem incorrer na ira de um Deus sagrado, que considera a destruição de sua imagem como uma ofensa a si mesmo”, escreveu Parker. “Mesmo antes de nascer, todos os seres humanos carregam a imagem de Deus, e suas vidas não podem ser eliminadas sem apagar sua glória.”

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM