Saúde e Bem-estar

A terapia de ketamina é a polêmica da vez na área de bem-estar

Descubra mais sobre essa controversa

A terapia de ketamina é a polêmica da vez na área de bem-estar

Esse pode ser um dos narcóticos mais controversos do mundo, mas o uso dele em terapia para tratar traumas, transtornos de ansiedade e depressão cresce a cada dia que passa em clínicas particulares do mundo todo. Uma droga que antes era considerada tabu, hoje em dia se torna algo ainda maior para cuidar da saúde mental.

Leia também:

Um truque escandinavo pode ajudar a dormir perto de outras pessoas

Tanto nos EUA quanto no Reino Unido o uso da ketamina se torna ainda mais comum, e algumas mulheres até recebem uma infusão de dose única para tratar a depressão pós parto, junto com a psicoterapia e a medicação antidepressiva, que podem não responder tão bem quanto a droga em si.

Nas clínicas, as doses são feitas em quantidades do tamanho do polegar de cogumelos mágicos para melhorar o sono, ansiedade e melhorar a produtividade no trabalho. Já em doses mais altas, você pode até ter um desmaio, aumentar a paranoia e ter pensamentos suicidas. Em microdoses, você se sente desapego e diminui o padrão dos pensamentos negativos.

Em alguns países a ketamina é licenciada para ser usada por médicos como anestésico, precisando de prescrição para ser usada para cuidar da depressão. Isso é algo que cresce cada dia mais com a aprovação de órgaõs especializados como a FDA e o Spravato, sendo utilizada até em um spray nasal da Johnson e Johnson por exemplo.

Desde 2006, a terapia com ketamina começou a ser introduzida pelo Instituto Nacional de Saúde Mental dos EUA, mas o país sabe que a supervisão médica é fundamental para acompanhar o uso desse e de outros psicodélicos. “Acho que isso é possível, mas exigirá cooperação e acordo entre muitas organizações diferentes”, diz o Dr. McShane. Ele acrescenta que há um risco mínimo de dependência. “A ketamina é provavelmente tão viciante quanto a vodca. Tudo depende de quanto e com que frequência você a toma. Alguns pacientes precisam aumentar a dose que tomam para obter o mesmo efeito, por isso é necessário supervisão médica.”

· · ·

Aviso

Este texto é de caráter meramente informativo e não tem a intenção de fornecer diagnósticos nem soluções para problemas médicos ou psicológicos. Em caso de dúvida, consulte um especialista antes de começar qualquer tipo de tratamento.

· · ·

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos. Seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM