Comportamento e Relacionamento

Como se livrar da síndrome do impostor: 3 dicas de uma ex-reitora de Harvard

Confira dicas para dizer ‘adeus’ à síndrome do impostor

Síndrome do impostor

Muitas pessoas temem não serem tão talentosas. “Os efeitos da síndrome do impostor podem ser impactantes, variando de ansiedade geral a […] uma tendência a evitar riscos, preso à estabilidade de trabalhos e relacionamentos”, explica a autora Gina Vild — que também já foi reitora associada e diretora de comunicações da Escola de Medicina de Harvard. Ela lista três maneiras de superar a síndrome do impostor.

1. Faça uma autocrítica séria

“Convidei os meus amigos mais próximos para compartilhar os seus pensamentos, tanto positivos quanto negativos”, conta Gina. “Ouvir o seu ponto de vista sobre as minhas deficiências era tão necessário quanto saber o que eles valorizavam em mim. Era vital ter essa avaliação equilibrada.”

· · ·

Se você está gostando deste texto, é provável que também se interesse por:Psicóloga compartilha 3 maneiras fáceis para ser uma pessoa mais simpática

· · ·

2. Entenda o valor do tempo

A ex-reitora de Harvard diz que sempre compreendeu a natureza transitória do tempo, já que sofreu perdas desde o começo da sua vida. “Eu tinha grande clareza de que a única moeda que importa é o meu tempo, e as decisões mais importantes que você toma são como você gasta esse bem tão precioso”, explica.

3. Pratique uma vida mais grata

“Decidi que não apenas seria grata por tudo o que há de bom na minha vida, mas também tentaria caminhar pelo mundo compartilhando com os outros quaisquer dons que tivesse”, revela Gina.

Ela também escolheu não se comparar com os outros. “Reconheci que todos têm habilidades e atributos únicos — não melhores do que os meus, apenas diferentes.” Em resumo, para ela, uma vida grata é reconhecer o sucesso, encarar os fracassos como aprendizados e celebrar os dons alheios.

· · ·

Aviso

Este texto é de caráter meramente informativo e não tem a intenção de fornecer diagnósticos nem soluções para problemas médicos ou psicológicos. Em caso de dúvida, consulte um especialista antes de começar qualquer tipo de tratamento.

· · ·

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos. Seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM