Saúde e Bem-estar

Música pode ser tão eficaz para saúde mental quanto exercício, revela estudo

O estudo foi feito por meio de em uma meta-análise que abrange 26 estudos anteriores e um total de 779 pessoas

Um estudo publicado pelo site Jama Network (em inglês) revelou que escutar música pode ter o mesmo efeito que a prática de exercícios, para a nossa saúde mental. Portanto, se você não conseguir praticar atividades físicas com a frequência que gostaria, suas músicas preferidas podem te ajudar bastante.

Baseado em uma meta-análise que abrange 26 estudos anteriores e um total de 779 pessoas, os dados obtidos mostraram que o impacto positivo de cantar, tocar ou ouvir música traz o mesmo benefício que, por exemplo, exercícios para a perda de peso.

· · ·

Se você está gostando deste texto, é provável que também se interesse por:Uma neurocientista compartilha o exercício cerebral ideal para uma memória mais forte

· · ·

“Evidências crescentes apoiam a capacidade da música de promover amplamente o bem-estar e a qualidade de vida relacionada à saúde”, escrevem os pesquisadores do artigo. “No entanto, a magnitude da associação positiva da música com a saúde mental ainda não está clara, particularmente, em relação às intervenções estabelecidas, limitando a inclusão de intervenções musicais na política e nos cuidados de saúde”, ponderaram.

De acordo com o que foi apurado pela coluna VivaBem, do UOL, os 26 estudos incluídos nessa nova pesquisa usaram o conceito adotado 36-Item Short Form Survey (SF-36) sobre saúde física e mental, ou a alternativa mais curta com 12 perguntas, o que facilitou a sintetização dos dados.

Depois, os resultados foram comparados com outras pesquisas que analisaram os benefícios de “intervenções médicas e não farmacêuticas (como exercícios para perda de peso)” no bem-estar, além de outros estudos em que os tratamentos médicos para problemas de saúde não incluíam musicoterapia.

Segundo os especialistas, o aumento da saúde mental proporcionada pela música está “dentro da faixa, embora no limite inferior” do mesmo tipo de impacto observado em pessoas que se comprometem com exercícios físicos ou programas de perda de peso.

“Essa meta-análise de intervenções musicais forneceu evidências claras e quantitativas de qualidade moderada de que as intervenções musicais estão associadas a mudanças clinicamente significativas na saúde mental”, disseram.

“Além disso, um subconjunto de 8 estudos demonstrou que a adição de intervenções musicais ao tratamento usual estava associada a alterações clinicamente significativas na saúde mental em várias condições”, completaram.

Houve ainda uma variação substancial entre os participantes sobre os diversos tipos de intervenções musicais, o que mostra que a musicoterapia não é algo que, necessariamente, vai funcionar para todos.

Por que esse estudo é importante?

Os especialistas esperam que estudos como esse incentivem os profissionais de saúde a prescrever algum tipo de musicoterapia com mais frequência quando se trata de ajudar os pacientes a se recuperar de doenças ou manter uma boa saúde mental.

Vale dizer que, para muitas pessoas, ouvir música ou cantar são atividades prazerosas, e que não exigem tanto quanto sair para fazer exercícios ou até mesmo seguir uma dieta.

“Pesquisas futuras são necessárias para esclarecer as intervenções e doses ideais de música para uso em cenários clínicos e de saúde pública específicos”, concluem os autores.

· · ·

Aviso

Este texto é de caráter meramente informativo e não tem a intenção de fornecer diagnósticos nem soluções para problemas médicos ou psicológicos. Em caso de dúvida, consulte um especialista antes de começar qualquer tipo de tratamento.

· · ·

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos. Seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM