Saúde e Bem-estar

A ressaca piora com o avanço da idade?

Sim, e é hora de você se preparar

Quem está na casa dos 20, 30 ou 40 anos, já viu que a cada tempo que passa, fica ainda mais difícil se recuperar de uma ressaca, não é mesmo? Aos 20, bebemos sem pensar no amanhã, e quando estamos nos 30, já começamos a considerar beber menos para poder sobreviver no dia seguinte. Mas, existe uma razão científica para isso.

O que acontece aos 20 anos

Beber em excesso na casa dos 20 anos é possível pois seu corpo é jovem e consegue controlar a quantidade de álcool no sistema, mas beber em grande quantidade traz mais riscos para o seu futuro, podendo determinar seu relacionamento com o álcool à medida que os anos passam, podendo causar até uma dependência.

Esse é o momento que você está começando a vida adulta, então está definindo o tipo de pessoa que você quer ser, podendo mudar a cada ano que passa, já que vamos adquirindo novas experiências todos os dias.

Fora que, seu corpo está mudando, e as chances de desenvolver uma doença como um câncer bucal, uma hepatite ou uma doença cardíaca aumenta enquanto envelhecemos., então o grande consumo de álcool acaba contribuindo com o desenvolvimento de osteoporose, já que o álcool impede o corpo de absorver cálcio.

O risco de overdose ou de uma intoxicação, parecendo com uma ressaca extrema, também podem aparecer nesse período, além de que o álcool em excesso atrapalha a fertilidade e os órgãos reprodutivos.

O que acontece aos 30 anos?

Aqui, os efeitos físicos começam a aparecer cada vez mais. A pele, os olhos e o cabelo ficam mais secos, recebendo ainda mais o impacto, e é claro que a ressaca será pior.

Sua capacidade de metabolizar o álcool diminui a cada ano que passa, e as pessoas mais velhas passam a ter mais concentração da bebida no sangue do que os mais jovens, então seu corpo fica com menos água e mais álcool, fazendo a questão de eliminar o álcool do corpo ainda mais longa, podendo te deixar ruim por dias.

Os sentidos acabam sendo afetados podendo gerar acidentes como quedas, colisões e até a pressão alta, levando mais tempo para nos recuperar, sendo necessário uns dias de descanso antes de se exercitar ou fazer tarefas menores.

A saúde mental também pode ser afetada, trazendo problemas como depressão, ansiedade e até distúrbio de sono para quem bebe compulsivamente. Vale repensar na quantidade consumida, dosando a cada saída para que seu corpo não sofra todos esses malefícios.

⋅ ⋅ ⋅

Leia mais textos da NOVA MULHER

Melhor do que o arroz: estes são os 3 principais benefícios da quinoa

Jovem diz que médicos falharam em diagnosticar seu câncer e que um passou remédio para hemorroidas

Há esperança: mortes por câncer vêm caindo nos últimos 30 anos, aponta estudo

A alimentação vegana diminui a tolerância ao álcool?

⋅ ⋅ ⋅

Aviso

Este texto é de caráter meramente informativo e não tem a intenção de fornecer diagnósticos nem soluções para problemas médicos ou psicológicos. Em caso de dúvida, consulte um especialista antes de começar qualquer tipo de tratamento.

⋅ ⋅ ⋅

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos. Seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM