Saúde e Bem-estar

O que você sabe sobre a fertilização in vitro? Descubra mais aqui

Ela pode nos ajudar e muito, se for feita da maneira correta

A fertilização in vitro já foi considerada um tabu por muitas pessoas, já que é algo que necessita da intervenção da ciência para que algumas pessoas possam ter filhos, e muitas pessoas caem em negação quando realmente precisam recorrer a esse procedimento.

Mas, o que realmente é a fertilização in vitro?

São feitos diversos testes para dizer se você é fértil ou não, e mesmo assim nenhum deles te diz com certeza o resultado, já que com homens basta uma verificação de esperma, e com mulheres começa desde o exame de sangue até coisas mais invasivas. Depois, você recebe um medicamento para a fertilidade, assim estimula o crescimento dos folículos nos ovários, que quando maduros serão transferidos para o laboratório, preparados com o esperma, e então os embriões vão se desenvolver até chegarem ao estágio certo para serem usados agora ou congelados para o futuro.

Mas, para saber como você vai responder aos medicamentos, é preciso verificar sua reserva ovariana, que acontece em certos períodos de dias. Um bom número de ovos para coletar por exemplo, são cerca de 12. Nessa coleta, que é feita em um dia, você está sedada e uma sonda com uma agulha bem fininha faz a coleta para os ovos serem cultivados. Vale pensar na transferência de apenas um embrião para não ter uma gravidez múltipla.

A escolha da clínica

Como é um procedimento que literalmente lida com vidas, vale escolher muito bem a clínica ou o médico que irão fazer essa fertilização, pesquisando muito com quem já fez ou na própria internet atrás de reviews antes de entregar o ok final. Para a escolha vale pensar no seu orçamento, local e emocional, pois tudo isso impactará no tratamento.

Riscos que podem aparecer

A fertilização não garante a gravidez em si, e isso pode depender muito da sua idade para o tratamento dar certo. Por isso, se você já está nisso há um tempo e não obteve sucesso, vale considerar outras formas de ter um filho, como uma barriga de aluguel ou uma adoção, que também não são processos fáceis e precisam de tempo e emocional para passar por eles.

Além disso, você pode sentir alguns efeitos colaterais dos remédios como alteração de humor, dor de cabeça, irritação e até a síndrome da hiperestimulação ovárica, que acaba estimulando demais o ovário. Além disso, perda de peso, dor intensa, náuseas, vômitos e coágulos nas pernas, falta de ar e menos idas ao banheiro também estão inclusos nos sintomas que podem aparecer.⋅ ⋅ ⋅

Siga e compartilhe

Você gostou deste conteúdo? Então siga a NOVA MULHER nas redes sociais para acompanhar mais novidades e ter acesso a publicações exclusivas: estamos no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Aproveite e compartilhe os nossos textos. Seu apoio ajuda a manter este site 100% gratuito. Cada contribuição é muito valiosa para o trabalho da nossa equipe de redatores e jornalistas.

Tags

Últimas Notícias


LEIA TAMBÉM